A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

23/11/2014 10:11

Empresa presta serviços na BR-163, mas usuários criticam pedágio

Alan Diógenes
Concessionária conta com 72 veículos que prestam assistência aos usuários da BR-163. (Foto: Marcos Ermínio)Concessionária conta com 72 veículos que prestam assistência aos usuários da BR-163. (Foto: Marcos Ermínio)

A CCR MSVia, concessionária responsável pela duplicação da BR-163, já começou a prestar atendimento pré-hospitalar às vítimas de acidentes, e serviços de desobstrução de pistas, reboque mecânico, entre outros. Alguns usuários da rodovia aprovaram a novidade, mas por outro reclamam do valor do pedágio que terá que ser pago assim que as obras de duplicação forem concluídas.

Dirigindo há 15 anos pelas estradas brasileiras, Enio Rogério Garcia, 38 anos, que estava transportando mercadorias do Estado do Paraná para Mato Grosso do Sul, conta que uma vez sua carreta teve problemas mecânicos no meio da rodovia e ele precisou do atendimento da CCR MSVia para levar o veículo ao mecânico. “Se não fosse desta forma eu iria ficar muito tempo na estrada, por que nem telefone pegava onde a carreta quebrou”, comentou.

O motorista só reclamou, quando soube qual será o valor cobrado pelo pedágio. “O serviço prestado por eles tem que ser de boa qualidade mesmo, até por que outros motoristas estão dizendo que o pedágio vai custar R$ 2,70 por trecho percorrido. Aí fica difícil, imagina o que não vou ter que desembolsar até chegar nos meus destinos”, destacou.

O motorista Luciano de Morais, 39 anos, também não aprovou o valor do pedágio, mas disse que o atendimento à população prestado pela concessionária será benéfico. “Vamos ter que tirar do nosso próprio bolso. Por exemplo, a empresa que eu trabalho até agora não sinalizou se vai arcar ou não com o valor do pedágio. Mas, acho bom o atendimento que a concessionária presta aos motoristas. Sempre vejo as veículos da CCR MSVia circulando pela rodovia”, explicou.

O empresário Evandro Queiroz, 40 anos, disse que o pedágio não deveria ser cobrado por que a população já paga outros impostos. “Já pagamos IPTU, IPVA e licenciamento dos veículos, é injusto pagarmos mais uma tarifa. Isso é mais um tributo disfarçado de concessão”, mencionou.

 

Ambulâncias são equipadas para prestar atendimento médico à vítimas de acidente. (Foto: Marcos Ermínio)Ambulâncias são equipadas para prestar atendimento médico à vítimas de acidente. (Foto: Marcos Ermínio)
Motorista Enio gostou da novidade, mas reclama do valor do pedágio. (Foto: Marcos Ermínio)Motorista Enio gostou da novidade, mas reclama do valor do pedágio. (Foto: Marcos Ermínio)

Uma das bases da concessionária fica no posto de combustível Caravágio, localizado no anel rodoviário da BR-163, próximo ao bairro Jardim Itamaracá. Por lá é possível encontrar seis veículos que prestam atendimento aos usuários da estrada; um caminhão pipa, um caminhão boiadeiro para retirar animais que vierem à aparecer no meio da rodovia, uma ambulância de resgate, um caminhão guincho menor para carregar veículos de passeio e um caminhão guincho maior para guinchar carretas.

Ao todo, são 17 bases do SAU (Serviço de Atendimento ao Usuário) com 500 colaboradores. Destes, 259 são do atendimento pré-hospitalar, entre eles 35 médicos em plantões de 24 horas. No total são 17 ambulâncias, 25 guinchos, 19 inspeções de tráfego e 11 caminhões de serviço.

Serão duplicados 847,2 quilômetros da BR-163, cruzando todo o Mato Grosso do Sul, desde a divisa com o Paraná, ao Sul, a partir da cidade de Mundo Novo, até a divisa com o Mato Grosso, ao Norte, na cidade de Sonora. A estrada passa por 19 municípios, entre eles, a Capital, beneficiando mais de 1,3 milhão de habitantes. Será cobrado R$ 4,38 de pedagio a cada 100 quilômetros percorridos.

Foram investidos R$ 5,5 milhões na obra de duplicação durante o prazo de 30 anos, a contar da data da inauguração. 3 mil pessoas foram empregadas durante as obras e ainda mais mil funcionários irão trabalhar na operação e administração da BR-163 durante os 30 anos de contrato. 

Ao todo, serão duplicados 847,2 quilômetros da rodovia. (Foto: Marcos Ermínio)Ao todo, serão duplicados 847,2 quilômetros da rodovia. (Foto: Marcos Ermínio)


Que o pedágio é caro, não há que se discutir. Porém, a prestação de serviços oferecida para empresa, a chamada contrapartida, compensa o valor investido.
Quem atualmente trafega, quase que diariamente pela BR 163, sabe do risco que essa rodovia oferece atualmente para os usuários.
No trecho compreendido entre Dourados e Campo Grande, é uma maravilha. Mas, entre Dourados e a divisa com o Paraná, em Guaíra, é lastimável. Pista estreita, não há terceira faixa, não tem acostamento e em alguns trechos, não tem nem como fugir. Se por imprudência de algum motorista, tiver que passar três veículos na pista, ou bate ou então sai da pista e capota.
 
Rodney OSilva em 24/11/2014 08:51:37
Progresso seria termos uma via duplicada e em boas condições sem termos que pagar mais por isso. Quem é a favor de pedágio de certo acha bom o preço dos combustíveis e os impostos abusivos cobrados de nós. Por conta de gente assim é que o Brasil vai de mal a pior, aceita tudo que é ditado pelo governo e ainda acha correto. Lamentável.
 
Jorge em 24/11/2014 08:14:16
Eu sou completamente à favor desta privatização, alem dos inúmeros empregos gerados direta e indiretamente finalmente teremos uma estrada de qualidade. Ficaríamos esperando por seculos e não teríamos qualidade caso a via permanecesse aos cuidados exclusivos do governo.
 
Jean em 23/11/2014 16:45:53
Esse pessoal que está reclamando parece que ainda não transitou pelas rodovias de SP, PR e RJ, onde o pedágio mais barato é 10 Reais, e outra, nestes estados as rodovias já são privatizadas a quase 20 anos, e aqui na BR 163 agora que foi privatizada.
Parece que tem pessoas que não gostam do progresso, preferem ficar paradas no tempo.
 
wild em 23/11/2014 12:09:51
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions