A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

12/03/2009 15:25

Empresário e policial responderão por morte de tatuador

Redação

Desde outubro do ano passado, o empresário Miguel Bacargi Filho, 41 anos, e o policial civil aposentado, Celino Antônio Cabral, 59 anos, já são processados pela morte de Luciano Estevão dos Santos, o Johnny. O processo corre em segredo de Justiça, por envolver questão de família, e a defesa dos dois acusados já se manifestaram.

O assassinato ocorreu no dia 25 de março do ano passado, em Campo Grande. Os dois respondem a homicídio qualificado com recurso que impossibilitou defesa da vítima e motivo torpe.

Conforme denúncia do MPE (Ministério Público Estadual), Miguel foi quem mandou matar o tatuador, que foi assassinado com dois tiros nas costas no estúdio dele, na frente de um funcionário.

O policial aposentado é apontado como o intermediador entre o mandante e o executor, que até o momento não foi identificado. Amigos há anos, Miguel entrou em contato com Cabral, como é conhecido Celino, e este contratou o autor dos tiros.

Agora, a Justiça tem que ouvir as testemunhas de defesa e acusação e os dois acusados, para então se pronunciar e marcar ou não, o júri popular.

O motivo - Segundo a acusação, Miguel é casado com Natashi Vilhalva Gomes Bacargi, que de acordo com a acusação, teve um relacionamento amoroso e sexual extra-conjugal com a vítima, que namorava na época com jovem chamada Cássia. Para o MPE, a traição de Natashi foi o que motivou o assassinato.

O caso - Johnny e Natashi se conheceram em 2005 em uma academia de ginástica, antes dele ter um relacionamento com Cássia.

Em fevereiro de 2007, Cássia descobriu o relacionamento, através de mensagens trocadas pelo tatuador e por Natashi, em um fotolog. Diante disso, Cássia questionou Johnny e este disse que já havia tido um caso com Natahsi, mas já havia terminado. Cássia então terminou o relacionamento.

Tempo depois, Johnny pediu para reatar com Cássia, que aceitou. Em julho do mesmo ano, ele contou a ela que Natashi o estava procurando. Cássia então mandou um e-mail para Natashi, alertando-a que poderia contar para Miguel sobre o caso com Johnny.

A mensagem foi interceptada por Miguel, que confessou a Cássia que já estava investigando a esposa. Cássia então passou a ele todas as provas do relacionamento extra-conjugal, isso, em setembro de 2007.

Eles negam - Mesmo com as provas do relacionamento entre Natashi e Johnny, uma carta manuscrita por Miguel, falando da traição da esposa, e diversas ligações telefônicas entre ele e Cabral, o empresário nega qualquer relação com o crime. Ele diz ainda que Cássia não o traiu com o tatuador e que conhece Cabral há cerca de 10 anos.

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions