A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

15/12/2013 08:35

Estado busca “variedade étnica” para banco de doadores de medula

Aliny Mary Dias
Atualmente Mato Grosso do Sul possui 8,5 mil doadores cadastrados (Foto: Cleber Gellio)Atualmente Mato Grosso do Sul possui 8,5 mil doadores cadastrados (Foto: Cleber Gellio)

Mato Grosso do Sul é um dos estados com número de doadores de medula óssea compatível ao teto estipulado pelo Ministério da Saúde. Com a boa quantidade, 19 pessoas encontraram doadores compatíveis, índice considerado alto. Apesar dos fatores positivos, a busca atualmente é de variedades étnicas para melhorar a qualidade do banco de doadores.

A coordenadora geral da Hemorrede, Eliana Dalla Nora, explica que os 8,5 mil doadores cadastrados no Estado são suficientes de acordo com a última portaria divulgada pelo Ministério da Saúde, em maio de 2012. E é por isso que a captação está focada na variedade de doadores.

“Nós temos um número muito bom e agora procuramos melhorar a qualidade das doações visando os grupos étnicos como negros, índios e orientais”, explica.

Essa busca por raças que diferem dos brancos e pardos tem uma explicação. Estudos dão conta de que nesses grupos é mais frequente encontrar doadores compatíveis. A média é de um doador compatível a cada 100 mil pessoas.

Para aumentar o número de doadores, as equipes da Hemorrede do Estado estão percorrendo cidades do interior como Amambai, Tacuru e Dourados, locais com grande população indígena e negra.

Outro apelo da Hemorrede é para que os doadores que já possuem cadastro no Redome (Registro Brasileiro de Doadores Voluntários de Medula Óssea) atualizem os dados quando mudarem de endereço ou de telefone.

Eliana explica que busca agora é por grupos étnicos (Foto: Cleber Gellio)Eliana explica que busca agora é por grupos étnicos (Foto: Cleber Gellio)

“Uma das nossas maiores buscas é que as pessoas venham até o Hemossul quando mudarem de casa. Já aconteceram casos de pessoas compatíveis que não foram encontradas porque os dados não estavam atualizados”, diz Eliana

A preocupação ocorre porque o sangue de cada doador cadastrado fica disponível no banco nacional e internacional até os 65 anos de idade. Sendo assim, um doador que se cadastrar aos 18 anos ficará disponível para doações durante 47 anos, por isso a importância de procurar os centros sempre que houver alteração nos dados.

Doadores - Nos últimos 10 anos, 125 mil pessoas foram cadastradas no banco de doações. E no mesmo espaço de tempo 19 pessoas doaram medula, número satisfatório para o Estado tendo em vista o índice populacional.

Entre os doadores, o mais famoso deles é o inspetor da PRF (Polícia Rodoviária Federal), Anderson Sidrack. Aos 47 anos, o campo-grandense que doa sangue desde 1987 foi compatível duas vezes. Caso raríssimo, segundo os especialistas.

As duas doações ocorreram em 2009, um mês depois que Anderson se cadastrou. “Eu doava sangue há bastante tempo e quando me cadastrei no banco de medula não demorou e me chamaram. Foi uma emoção muito grande porque salvei duas vidas”, relata.

E o procedimento para se cadastrar é simples. Os interessados precisam procurar o Hemosul da Capital, localizado na Avenida Fernando Corrêa da Costa, número 1301, e fazerem a doação de sangue normalmente. Antes da doação, é preciso falar sobre o interesse em ser doador de medula.

Dessa forma, os dados da pessoa ficam em um banco nacional e internacional e caso houver compatibilidade, o doador é encaminhado para um dos centros coletores, localizados em São Paulo ou Curitiba, por exemplo, e 5 ml de sangue são retirados da bacia ou do braço.

Em até 72 horas, conforme a coordenadora da Hemorrede, o organismo repõe a medula. “É um procedimento bastante simples que salva a vida de quem está em um momento bastante difícil”, completa Eliana.

Mega-Sena acumula de novo e prêmio estimado sobe para R$ 43,5 milhões
Mais uma vez a Mega-Sena ficou sem vencedor na faixa principal e, com isso, a premiação acumulou e pode chegar a R$ 43,5 milhões no próximo concurso,...
Mega-Sena pode pagar R$ 39 milhões no sorteio deste sábado
A Mega-Sena deste sábado (16), que está acumulada, pode pagar R$ 39 milhões para quem acertar os seis números. O concurso 1.997 ocorre às 20 horas, h...


ja precisei de doaçao para uma cirurgia
eh as unicas pessoas que tinha contato era do meu serviço
foi impossivel, conseguir as doaçao. Fui para o hospital com a
cara e a coragem, e falei nao consegui doadores. HOJE eu sou doadora pois, nos
so damos valor quando precisamos. MAIS QUE EXISTE AS CHACOTAS EXITE SIM
 
maria helena ferreira em 16/12/2013 11:14:48
É isso ai Luis Fernando e Karla Cavalcante, faço das palavras da Neuza Buss as minhas. Não busque recompensas entre os seres humanos, busque o tesouro que Deus lhe reserva, esse sim: "ajuntai para vós outros tesouros no céu, onde traça nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam, nem roubam; porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração". Boa semana.
 
Carlos Marques em 16/12/2013 09:30:42
Luiz Fernando, bom dia. Faço um apelo: volte a doar. Pense nas vidas que salva, que ajuda a curar. Ou doe como gratidão pela saúde que tem. Pense positivamente, não na ingratidão ou na falta de reconhecimento. Deus, que vê o seu coração, o recompensará. Abração!
 
Neuza Buss em 16/12/2013 07:27:41
Infelizmente já fui vitima de chacota no hemonúcleo da Santa Casa, fui doar para uma pessoa em especifica , pai de um colega de trabalho, o médico que libera você para a doação duvidou que tal pessoa estivesse realmente internada e perguntou o porque de eu não estar no trabalho...detalhe meu trabalho é de meio periodo apenas, e o horario que fui doar sangue era meu horário de folga. Simplesmente não voltei mais lá. Se queremos ajudar o próximo , somos alvo de chacota de mal amados e insatisfeitos com a propria profissao!
 
Karla Cavalcante de Jesus em 15/12/2013 23:01:16
Sr. Luiz Fernando, faça o bem sem olhar p/quem; já doei sangue várias vezes e todas ás vezes peguei atestado e levei p/empresa, sem me importar com o que ás pessoas fossem falar, e com a consciência tranquila que estava fazendo o bem e salvando algumas vidas, se nós fossemos ouvir tudo o que as pessoas falam nós não viveríamos em paz!
 
eliane nunez em 15/12/2013 15:35:05
Eu era doador há 5 anos. Mas parei por falte de respeito. Certa vez, cheguei no trabalho com o atestado de doação, nunca havia entregado, e uma pessoa fez chacota, dizendo que eu só ira doar sangue porque queria faltar. Outra vez, no próprio hemosul, fiquei pasmo ao ver um funcionário comentar sobre um senhor, dizendo que ele só vinha doar para faltar. Se é esta a visão que a sociedade tem de um doador, se é este o valor que se dá, com chacotas, falta de respeito, não vou doar mais. São necessárias campanhas não só para conscientizar da importância da doação, mas para valorizar, envaidecer o doador (pois a sociedade sem estudo faz o contrário). Este problema deve estar ocorrendo com outras pessoas que doam por aí também...
 
LUIS FERNANDO em 15/12/2013 10:59:25
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions