A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

05/06/2013 12:31

Fazendeiros retiram gado às pressas da região de conflito

Paula Maciulevicius e Aliny Mary Dias, de Sidrolândia
Parte do gado está sendo levado para clube de laço de Anastácio. (Foto: Cleber Gellio)Parte do gado está sendo levado para clube de laço de Anastácio. (Foto: Cleber Gellio)

Os produtores rurais da região de Sidrolândia estão desde ontem trabalhando na retirada das cabeças de gado das fazendas ocupadas por índios e outras que correm o mesmo risco. Só na área que os índios reivindicam como Terra Indígena Buriti, são 10 propriedades invadidas: Buriti, São Sebastião, Água Doce, Lindóia, São José, Querência, 3R, Flórida, Santa Clara e Bom Jesus.

Ainda nesta manhã, produtores rurais estiveram reunidos na fazenda Furnas da Estrela, discutindo como resistir às novas ocupações.

Dono de três caminhões que faziam o transporte de gado, Vilmar Rech, 40 anos, disse ao Campo Grande News que a determinação foi de retirar o rebanho imediatamente.

Hoje ele fazia a remoção de animais da propriedade Lindóia, ocupada na segunda-feira. Das 900 cabeças de gado, 640 já tinham sido deixadas em um rancho na região e de lá iriam seguir para o Clube de Laço de Anastácio. O motorista calculou sete viagens para levar todo gado.

“Tem fazendeiro com mais de 1,5 mil gados que não tem para onde levar. Eles estão tentando conversar com outras regiões”, disse.

Dono da fazenda Lindóia, o prefeito de Bonito, Leonel Lemos de Souza Brito, o Leleco (PT do B), foi acompanhar de perto a retirada. Ele informou que já entrou com pedido de reintegração de posse e espera que seja deferido e cumprido.

Se mostrando apreensivo com a situação, Leleco ainda acusa os índios de matar o gado para comer e vender em açougues de Sidrolândia.

Das 260 cabeças de gado que haviam ficado na propriedade, Leleco disse que todas foram roubadas.
“Agora acabou o valor dessas terras, ninguém mais quer comprar terra nessa região”, comentou. O prefeito de Bonito tem 1,3 mil hectares da área reinvindicada pelos terena.

 

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...


Angélica Nunes Dourado, o problema foi esse: A população acreditou nesse discurso de democracia e proteção à minorias, assinou um monte de abaixo-assinados e votou nos comunistas, deu no que deu.
 
João Ribeiro em 05/06/2013 20:22:05
Trabalho não, mas um churrasco eles curtem...
 
Samuel Abrahão em 05/06/2013 17:41:33
Fazendeiros não, Produtores Rurais que tentam gerar riqueza para o país, gerar emprego e pagar todos os impostos que recaem sobre seus produtos antes de chegar à mesa do povo Brasileiro, que por sinal está se alimentando melhor por conta de altas produtividades conseguidas por esses homens que trabalham de sol a sol. Vamos acreditar que a Justiça nesse País ainda tem sua força Constitucional e está livre de Politicagem tupiniquim.
O que precisa é que se cumpra a descisão Judicial e gere PAZ na região e deixem os índios viverem como tal, sem ânsia de terem terras para deixarem improdutivas.
Nós precisamos produzir alimentos, inclusive para servir na mesa dos nossos índios.
 
Célio Silva em 05/06/2013 16:55:06
Como ninhmguem liga, Cyro Oliveira? A economia deste estado e baseada na agropecuaria. Nao sei com o que vc trabalha, mas se o setor agrario for mal, o estado inteiro vai mal. Preste atencao.
 
francisco guimaraes em 05/06/2013 16:34:48
Leleco acordou tarde, corre, acelera Leleco! Nem sabia que a fazenda era do prefeito de Bonito, por ser PT do B. Realmente os fazendeiros sempre ostentaram, humilhando nós pobres trabalhadores rurais aqui da região.
 
Carlos Lamarca em 05/06/2013 16:08:46
Trabalhar indio nao quer, né?
 
Gustavo Fernando em 05/06/2013 15:52:40
Parece até que não existe lei nem poder de Estado nesse país. No fim, se assim prosseguir, vamos acabar comendo mandioca ou a casca dela.
 
Magda Correa em 05/06/2013 14:22:41
Indio não tem que querer terra, indio tem que trabalhar, é preciso acabar com esses negocios de cotas para indios, o que adianta dar terra para esse povo, sendo que a unica coisa que eles fazem é tomar cachaça e viver da bolsa que o governo manda mensalmente. Agora fica essa palhaçada e eles acabando com as propriedades e com os animais. O governo vai pagar os prejuizos que eles estão causando??? ou vai ficar passando a mão na cabeça deles, como sempre fizeram?
 
Camila Lima em 05/06/2013 13:59:28
Fomos e voltemos, agora os índios estão extrapolando... fora o fato de sabermos muintíssimo bem que nesses movimentos indígenas, a maioria nem índios é, e ainda tem o agravante de, quem está por trás, ser gente grande. JÁ ESTOU ARREPENDIDA DE HAVER ASSINADO AQUELE ABAIXO-ASSINADO DA PRAÇA ARY COELHO.
 
Angélica Nunes Dourado em 05/06/2013 13:46:57
Ninguém tá nem aí pra isso. Fazendeiros ricos que sempre mandaram nessa cidade agora tão tendo problemas. Quem liga.
 
Cyro Escobar em 05/06/2013 12:42:27
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions