A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 24 de Junho de 2018

12/03/2009 16:14

Índios de MS e 3 estados denunciam truculência da PF

Redação

Lideranças indígenas denunciaram hoje várias ações "truculentas" da Polícia Federal contra comunidades em Pernambuco, no Mato Grosso do Sul, Espírito Santo e na Bahia. As reclamações e relatos foram feitos durante a reunião da Comissão Nacional de Política Indigenista (Cnpi), ligada ao Ministério da Justiça.

Os líderes indígenas citaram o caso de uma ação da PF para garantir o cumprimento de uma ordem de reintegração de posse contra os índios Tupinambás, na Serra do Padeiro (BA).

A índia Pierangela Cunha, da etnia Wapixana, que integra a bancada indígena na Cnpi, disse que em janeiro de 2008, para cumprir uma decisão judicial em favor de fazendeiros, a Polícia Federal utilizou gás lacrimogêneo e balas de borracha contra os índios, além de incendiarem suas roças. "Queremos que esses casos onde houve violência excessiva sejam apurados", afirmou.

A líder disse ser importante que nas ações policiais nas comunidades indígenas haja "um acompanhamento mais efetivo" por parte da direção da Polícia Federal para evitar os excessos dos agentes.

O delegado federal Carlos Santos explicou que o caso da Serra do Padeiro "houve uma resistência por parte dos indios tupinambás". E garantiu que que nas ações da PF "tudo é feito dentro de um processo moderado, com medidas de menor potencial lesivo". Santos disse ainda que a Polícia Federal não tem interesse em conflitos e que só utiliza a força em "casos extremos".

Pierangela Cunha defendeu a necessidade de se estabelecer diretrizes para ações da Polícia Federal em terras indígenas. "Deve haver um diálogo da Polícia Federal, com a Funai (Fundação Nacional do Índio) e com as lideranças indígenas para que não ocorram esses abusos", disse.

O delegado Santos explicou que já existe um planejamento da PF e da Funai para um trabalho conjunto com as lideranças indígenas. Segundo ele, o interesse é de "aprimorar um trabalho de comunhão".

LocalNo ínicio deste mês, o Cimi (Conselho Indigenista Missionário) denunciou que a prisão de indígenas na aldeia de Paso Piraju, no último dia 12 de fevereiro, em Dourados, foi marcada por abuso por parte dos policiais militares e civis.

Na ocasião, foram presos o líder da comunidade Carlitos de Oliveira, Plácida Brites (esposa de Carlitos), Estevão Duarte e Nilson Duarte. Eles são acusados de furtar eletrodomésticos do pesqueiro "Rancho e Lazer: Toca do Lobo", que pertence ao policial militar Persilio Paes da Costa.

De acordo com o Cimi, policiais militares e civis, de posse de um mandado judicial, chegaram à aldeia em cinco camburões, por volta das 6h. Conforme a denúncia, durante três horas de ação, os policiais quebraram as portas das casas dos indígenas, além de destruírem objetos como ventiladores, televisores, fogão, guarda roupa e celulares.

Os índios também relataram que receberam tapas e foram ofendidos. Segundo eles, a violência fez com que alguns policiais abandonassem a ação. Os indígenas encaminharam denúncia ao Cimi e MPF (Ministério Público Federal).

Apostadores de quatro estados são os mais novos milionários do país
Apostadores de quatro estados acertaram os seis números da sorte da Mega-Sena e são os mais novos milionários do Brasil. Os sortudos são de Salvador ...
MPE realiza processo seletivo para estagiários em 37 cidades neste domingo
O MPE (Ministério Público Estadual) aplica neste domingo (24) as provas do processo seletivo para estagiário em 37 cidades do Estado. As avaliações c...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions