A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

19/09/2013 15:47

Índios dizem que só vão deixar prédio da Saúde se houver troca de chefe

Aliny Mary Dias
Prédio do Dsei está ocupado desde ontem (Foto: Pedro Peralta)Prédio do Dsei está ocupado desde ontem (Foto: Pedro Peralta)

Responsável pela saúde de 68,8 mil índios de 13 aldeias de Mato Grosso do Sul, o Dsei (Distrito Sanitário Especial Indígena), criado há 3 anos, trata os índios com descaso, segundo relatos dos indígenas. A revolta é tanta que os 45 índios que ocuparam a sede do órgão em Campo Grande, na manhã de ontem (18), continuam no local e prometem só sair do prédio se houver diálogo com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Os indígenas, em maioria da etnia Terena, vieram de várias aldeias do Estado. Eles exigiram uma conversa com o chefe do Dsei, Nelson Olazar, mas afirmam que não foram bem recebidos e uma equipe da Polícia Federal acabou sendo chamada por Olazar.

Diante da falta de diálogo, os indígenas ocuparam o prédio localizado na Via Park e afirmam que não irão sair do local. A expectativa é que mais índios de outras regiões do Estado se juntem ao movimento e a ocupação aumente nos próximos dias.

Entre os indígenas, o pedido é unânime, todos querem a saída do chefe. As reclamações são inúmeras, mas a principal é não haver ambulâncias e veículos suficientes para transportes de doentes.

Na região de Ipegue, em Aquidauana, a 135 quilômetros da Capital, mais de 7 aldeias são atendidas pelo Dsei. Pedro Terena, de 47 anos, conta que a falta de estrutura é tanta que cinco pacientes que fazem hemodiálise são levados na carroceria de um veículo.

“É a nossa situação mais grave. Esses pacientes vão três vezes por semana para a cidade e não têm veículo adequado. Nós só queremos o básico que é a dignidade para o nosso povo”, explica.

Índios estão em prédio e exigem novo chefe (Foto: Pedro Peralta)Índios estão em prédio e exigem novo chefe (Foto: Pedro Peralta)

Os índios dizem que não impediram a ida de funcionários do Dsei ao trabalho nesta quinta, mas Olazar teria ligado para os servidores e os ameçou para que não fossem. “Ele ligou e falou para as pessoas não virem para parecer que a gente está expulsando. Nós só queremos o atendimento para nossa saúde”, conta.

O movimento deve ganhar mais força ainda hoje com a chegada de uma comissão de líderes que participavam do bloqueio da BR-262 em Miranda.

A reportagem do Campo Grande News tentou contato com Nelson Olazar, mas até o fechamento desta matéria as ligações não foram atendidas.



É fato que temos muitos problemas, mas quanto a denuncia do Pedro terena com relação aos pacientes estarem sendo transportados em carrocerias é mentirosa.
 
antonio martins em 19/09/2013 17:28:27
De uma coisa tenho ABSOLUTA CERTEZA: dos que invadiram esse prédio do governo, metade são os mesmos que invadiram a fazenda ESPERANÇA em Aquidauana. Chega de baderna, querem mudança, existe o "diálogo", vivemos em um país democrático, ficar agindo sempre da mesma forma não é a melhor maneira de se resolver suas questões étnicos-culturais muito menos da área da saúde. Defino isso como COVARDIA. Não estão satisfeitos, exijam sim mudanças, mas não desta forma.
 
jacson blanck em 19/09/2013 17:16:31
nós kaiowá e guarani não concordamos com esse tipo de protesto,pois DSEI e do Mato Grosso do sul não do grupo de pessoas ou da etnia.
 
gildo Martins Kaiowá em 19/09/2013 16:46:55
Eu sou kaiowá e conheço a maracutaia do fernando, agora quer assunir o DSEI, piorou para nós da fronteira, ele manipula muito nós indígenas, ele tem sai do Prédio
 
tereza nelson em 19/09/2013 16:39:32
Nós guarani kaiowá desconhecemos este protesto,pois teve em amambai a reunião dos condisi e simplismente o presidente não nos revelou sobre o protesto,Fernando levou este pessoal, por que quer assumir o DSEI e prometendo cargo, guarani kaiowa quer fora o Fernando, por causa dele a saúde esta travado.
 
Aurélio de Oliveira em 19/09/2013 16:36:17
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions