ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, TERÇA  13    CAMPO GRANDE 21º

Interior

Após ouvir palestra, menina conta que era estuprada por marido da avó

Crime aconteceu em 2016 e autor chegou a ser condenado, mas vai responder em liberdade

Por Ana Paula Chuva | 07/04/2021 17:05

Ajudante de eletricista, de 54 anos, vai responder em liberdade pelo estupro de uma menina de 10 anos, neta de sua companheira. O crime aconteceu em 2016, em Cassilândia, cidade a 430 km de Campo Grande.

No dia 29 de março deste ano, o autor foi condenado a 11 anos e dois meses de prisão em regime fechado pelo crime, no entanto, ele poderá recorrer da decisão em liberdade, conforme  publicado no Diário da Justiça desta quarta-feira (7).

Os abusos começaram a acontecer em maio de 2016, na casa onde a vítima morava na Vila Pernambuco em Cassilândia. O autor era companheiro da avó que era guardiã da menina, na época com 10 anos, mas depois de um tempo o casal se separou, porém o homem   continuava com livre acesso ao local, onde inclusive passava as noites.

A menina contou o que estava acontecendo meses depois do crime. Conforme a denúncia, após ouvir uma palestra sobre abuso sexual na escola ela falou sobre os abusos com uma colega da escola.

No relato, ela disse que no começo o homem ficava olhando ela pelo buraco da fechadura, mas depois começou a entrar no quarto durante a noite tirar as roupas. Em um dia, ele chegou a introduzir o dedo em sua vagina, mas a menina gritou e então ele saiu correndo e fingiu estar dormindo no sofá da sala.

Já no dia 16 de maio daquele ano, o homem entrou no quarto da menina e teria se masturbado na frente dela dizendo para que ela olhasse “o que ele tem de grande”. Para que a menina não contasse a ninguém ele a ameaçava dizendo que a mataria junto com a avó.

O homem foi condenado pelo crime, no entanto conforme a publicação de hoje no Diário da Justiça, ele não será preso de forma imediata e vai poder recorrer da decisão em liberdade. Já a menina, hoje com 14 anos, está em uma instituição de acolhimento.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário