A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017

27/06/2017 14:02

Após protesto, prefeita diz que prioridade é pagar salário em dia

Helio de Freitas, de Dourados
Délia Razuk disse que assumiu prefeitura com a folha “inchada” (Foto: A. Frota/Divulgação)Délia Razuk disse que assumiu prefeitura com a folha “inchada” (Foto: A. Frota/Divulgação)

De Brasília, onde tenta conseguir dinheiro do Ministério das Cidades para recuperar as ruas de Dourados, a prefeita Délia Razuk (PR) avisou os servidores municiais que a prioridade é pagar os salários em dia e deixou claro que não haverá reajuste em 2017. Na manhã de hoje (27), educadores e profissionais de enfermagem protestaram na prefeitura e depois saíram em passeata até a Secretaria de Educação.

Através da assessoria, Délia afirmou que reconhece o direito dos profissionais de educação e de enfermagem de protestar e que lamenta pelo município não ter condição de conceder o reajuste neste momento.

“Estamos enfrentando um grande desafio e acreditamos que por meio do diálogo, planejamento, equilíbrio fiscal e controle, vamos superar essa fase. Herdamos a prefeitura com uma folha salarial inchada, já no limite do que permite a Lei de Responsabilidade Fiscal. O PCCR impactou nesta administração”, afirmou ela.

Délia Razuk disse que o objetivo é regularizar o índice da folha de pagamento, que herdou acima de 54%, quando o índice fixado pela Lei Fiscal é de 51,30%. Também aponta “diversas dívidas que ficaram para serem pagas nessa gestão, em curto, médio e longo prazo”.

Já a secretária de Governo, Patrícia Donzelli, disse que a prefeitura não pode assumir um compromisso sem condições de cumprir. “Hoje, conforme divulga a própria Confederação dos Professores, pelo menos 70% dos municípios estão com os salários atrasados ou pagou com atraso”, declarou.

Também por meio da assessoria, o secretário de Fazenda, João Fava, lembrou que o decreto de maio deste ano determinando a redução da despesa com pessoal, veda a concessão de vantagem, aumento, reajuste ou adequação de remuneração.

Ele citou ainda a queda e atraso nos repasses dos governos federal e estadual. O repasse mensal do Fundeb, por exemplo, estaria em R$ 8 milhões enquanto a folha salarial da educação chega a R$ 16 milhões/mês.

Idoso tenta salvar esposa das mãos de bandido e acaba ferido a tiros
Um idoso de 86 anos ficou ferido depois de ser atingido por um disparo de arma de fogo durante uma tentativa de assalto, na tarde de ontem (19), em M...
Durante abordagem, passageiro de ônibus finge passar mal e foge
Passageiro de ônibus fingiu passar mal para fugir da polícia, neste domingo (19), deixando para trás mala com maconha e os próprios documentos em Dou...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions