ACOMPANHE-NOS    
JULHO, TERÇA  14    CAMPO GRANDE 19º

Interior

Casos de coronavírus aumentam 260% e prefeitura amplia toque de recolher

Dourados chegou nesta segunda-feira a 152 casos confirmados de covid-19; horário de recolhimento em casa começa às 20h

Por Helio de Freitas, de Dourados | 25/05/2020 12:48
Guardas durante fiscalização do toque de recolher em Dourados; restrição começa mais cedo a partir de hoje (Foto: Divulgação)
Guardas durante fiscalização do toque de recolher em Dourados; restrição começa mais cedo a partir de hoje (Foto: Divulgação)

O número de casos confirmados do novo coronavírus aumentou 260% em uma semana em Dourados, a 233 km de Campo Grande. No dia 17 deste mês, a segunda maior cidade de Mato Grosso do Sul tinha 42 casos confirmados de covid-19. Nesta segunda-feira (25), a Secretaria Estadual de Saúde informou que o número de pessoas infectadas pelo vírus chegou a 152 no município.

Para tentar frear o crescimento da curva, a prefeitura decidiu ampliar o toque de recolher, que a partir de hoje passa a ser das 20h às 5h – duas horas a mais até agora. O decreto com o novo horário, assinado pela prefeita Délia Razuk (PTB), foi publicado em edição extra do Diário Oficial do município.

O assessor especial do gabinete Alexandre Mantovani disse em transmissão ao vivo no Facebook que as demais medidas estão mantidas. “As pessoas que precisam voltar para casa do trabalho, ir para o trabalho, que precisam ir à farmácia ou procurar atendimento médico, não serão afetadas pela regra de isolamento mais cedo”, explicou.

Segundo ele, o toque de recolher tem funcionado em Dourados, pois diminuiu o fluxo de atendimentos no Hospital da Vida, principalmente de pessoas vítimas de acidentes, embora o número de casos da doença tenha triplicado nos últimos dias.

“Essa medida é necessária para manter o sistema de saúde apto para receber pacientes de covid-19. São medidas necessárias e provisórias, para evitar que o sistema de saúde entre em colapso”.

O porta-voz do comitê de enfrentamento ao coronavírus, Frederico Oliveira Weissinger, disse que já estava previsto rever algumas medidas de flexibilização adotadas no mês passado e que a ampliação do toque de recolher ocorre para garantir atendimento à população e manter o achatamento da curva de contágio.

“Ninguém seria leviano de achar que Dourados não teria uma onda de casos. Esse quadro já era esperado. Por isso nos preparamos com o fechamento em março. Ainda mantemos números baixos de internação em comparação a outras regiões do país”, afirmou. Segundo ele, endurecer algumas medidas faz parte do enfrentamento ao vírus. “Quando a prefeita flexibilizou algumas ações, a gente sempre ressaltou que algumas medidas seriam revistas. A primeira é o toque de recolher”.

Frederico reforçou o pedido para a população manter o isolamento social. Dourados aparece com 40% de isolamento, taxa considerada baixa para impedir crescimento no contágio. “O isolamento social é 50% do trabalho, precisamos manter esse foco para garantir achatamento da curva e impedir o colapso na saúde”.

Segundo o médico, com isolamento baixo, a circulação do vírus se torna ainda mais rápida. “A taxa de isolamento social abaixo de 40% é extremamente perigosa. O ideal seria acima de 70% para quebrar toda a cadeia de transmissão, mas precisamos de pelo menos 50%”, afirmou.