ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  21    CAMPO GRANDE 29º

Interior

Com mais denúncias, ações contra extração de madeira na terra Kadiwéu continuam

Própria comunidade denunciou ilegalidades, praticadas também por indígenas que teriam sido aliciados

Por Lucia Morel | 05/12/2023 15:57
Toras de madeiras extraídas da Terra Indígena. (Foto: Funai/MS)
Toras de madeiras extraídas da Terra Indígena. (Foto: Funai/MS)

Com mais casos denunciados, a verificação de extração e venda ilegal de madeira na Terra Indígena Kadiwéu, nas cidades de Porto Murtinho e Corumbá, vai continuar no ano que vem, segundo a Funai (Fundação Nacional dos Povos Indígenas) em Mato Grosso do Sul. Operação Niagili realizada semana passada e divulgada ontem encontrou acampamentos de pessoas que trabalhavam na retirada da madeira dentro da área indígena.

O coordenador da Funai em MS, Elvisclei Polidoro, mais conhecido como Elvis Terena, afirmou que para 2024 a vistoria vai continuar e enfatizou que foram pessoas da própria comunidade Kadiwéu que denunciaram o crime ambiental na entidade. “Nós recebemos a denúncia no mês passado, e acionamos o Ibama, que chamou a Polícia Federal para dar apoio”, contou.

Ele lamentou o fato de indígenas da própria terra, que mantêm fazendas dentro da TI, estarem sendo “aliciados” por quem é de fora e até mesmo recebendo dinheiro para liberar a extração. “Foi a própria comunidade que fez a denúncia, mas infelizmente tem quem seja de lá e está envolvido, sendo aliciado e deve até ganhar uma quantia 'x' para levar essas pessoas até as áreas de extração”, afirma.

Acampamento identificado na terra Kadiwéu. (Foto: Funai/MS)
Acampamento identificado na terra Kadiwéu. (Foto: Funai/MS)

Tais informações não foram confirmadas, e também, dos proprietários das três fazendas identificadas dentro da Terra Indígena – São Salvador, São Sebastião e Xamacoco – apenas o da Xamacoco foi identificado e multado em R$ 20 mil.

Para 2024, a tentativa será encontrar os verdadeiros mandantes dessa extração e verificar mais áreas da TI Kadiwéu comprometidas. Força-tarefa da Funai, Ibama (Instituto Nacional de Meio Ambiente) e PF durou quatro dias, mas não conseguiu percorrer os 560 mil hectares da Terra Indígena.

Elvis informou que outras terras indígenas do Estado não possuem tantas reservas naturais que atraiam a extração ilegal, por isso, não existe um levantamento oficial do desmate nessas localidades. As árvores derrubadas são angico e aroeira, com as quais é possível construir móveis, cercamento de fazendas e mangueiros.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias