A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 28 de Junho de 2017

23/10/2013 09:02

Diretora de hospital rebate prefeito de Rio Negro e nega desvio de verbas

Vinícius Squinelo

Após acusações dobre desvio de verbas no Hospital e Maternidade Idimaque Paes Ferreira, em Rio Negro, a presidente da instituição, Celina Flores Batosta Martins rebateu o prefeito da cidade Gilson Antonio Romano (PMDB) e afirmou não existirem irregularidades.

“Ele não tem como provar esse desvio, o mínimo que ele poderia passar (de verba) para o hospital nem dava para pagar os plantões, especialistas e exames”, defendeu Celina.

Segundo ela, o dinheiro da instituição quase não dava para pagar as contas. “Nem dinheiro para desviar tem”, ironizou.

Após briga, o prefeito Gilson rompeu convênio com a Associação Beneficente, mantenedora do Hospital e Maternidade Idimaque Paes Ferreira, e Rio Negro está, há um mês, sem médicos. Segundo a presidente da instituição, Celina, a decisão inviabiliza o atendimento e se trata de “retaliação política”. Por outro lado, o prefeito a acusa de ajudar a desviar, em oito meses, cerca de R$ 231,3 mil do hospital.

O impasse começou no final de setembro, quanto Romano brigou com os dois únicos médicos da cidade, Roberto Rangel e Ivan da Costa. Eles foram cobrar R$ 60 mil para pagar os funcionários do posto de saúde do município. Em resposta, o prefeito teria partido para cima dos dois, desferindo socos. O gestor, por usa vez, negou a agressão física e os médicos decidiram atender em outras cidades.

Na última sexta-feira (18), a história teve novo capítulo. Na data, Celina surpreendeu-se com a decisão da prefeitura de romper convênio com o hospital. Segundo ela, a administração municipal repassa mensalmente R$ 44 mil à instituição.

Desvio de verba - Por outro lado, o prefeito acusa Celina e seu ex-secretário de Saúde de desviarem do hospital, em oito meses, R$ 213,315 mil. “Por mês, eles desviaram para suas contas particulares de R$ 32 mil a R$ 38 mil”, declarou. “Fizeram barbaridades no hospital e temos como provar isso”, completou.

Romano ainda declarou não deixar descoberto o atendimento ao público. Segundo ele, a prefeitura só cancelou o repasse de R$ 20 mil por decidir fazer diretamente o pagamento aos plantonistas. “Todas as manhãs, temos médicos de plantão e no fim de semana também”, ressaltou.

Ele, porém, reconheceu que à tarde a população fica sem médico. “Mas Corguinho, a 50 quilômetros daqui, já está sabendo que, no caso de qualquer emergência, será acionado”, minimizou. “Estamos por conta da sorte”, rebateu Celina.

Após briga, prefeito rompe contrato e Rio Negro fica sem médicos
Após briga, o prefeito Gilson Antonio Romano (PMDB) rompeu convênio com a Associação Beneficente, mantenedora do Hospital e Maternidade Idimaque Paes...
CRM lamenta agressão de médicos por prefeito de Rio Negro
O Conselho Regional de Medicina do Estado de Mato Grosso do Sul lamentou, em nota oficial divulgada nesta noite, a suposta agressão do prefeito de Ri...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions