ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, QUINTA  03    CAMPO GRANDE 24º

Interior

“Ele agiu para se defender”, diz advogado de tatuador que matou colega

Advogado já entrou com recurso na justiça pedindo a soltura do tatuador Washington Vieira Gonçalves

Por Adriano Fernandes | 28/10/2020 20:45
Advogado Alex Viana de Melo, defensor do tatuador acusado de homicídio. (Foto: Arquivo Pessoal)
Advogado Alex Viana de Melo, defensor do tatuador acusado de homicídio. (Foto: Arquivo Pessoal)

A defesa do tatuador Washington Vieira Gonçalves, de 40 anos, ressalta que o profissional agiu em legitima defesa, durante o desentendimento que terminou com a morte de Antônio Paulo de Andrade Vaz, de 34 anos, na noite do último sábado (24), em Coxim, cidade que fica a 260 quilômetros de Campo Grande.

“Ele agiu para se defender”, esclarece o advogado Alex Viana de Melo. O advogado já entrou com um recurso na justiça pedindo a soltura de Washington do Estabelecimento Penal Masculino de Coxim, onde ele está preso, desde o final de semana.  De acordo Alex Viana o tatuador chegou antes da vítima ao bar onde teve início a confusão.

“O Antônio Paulo se sentou na mesma mesa que ele e começou a brigar, pois não aceitava o Washington falar que pertencia ao mesmo grupo de motoqueiros que ele”, confirma. Para “evitar confusão”, ainda conforme o advogado, o tatuador saiu do estabelecimento e foi para casa. No entanto a vitima e um amigo, de 33 anos, foram até o endereço da Avenida João Feliciano Bezerra, no Bairro Vila Bela, em Coxim.

Local onde ocorreu o crime. (Foto: Maikon Leal / Coxim Agora)
Local onde ocorreu o crime. (Foto: Maikon Leal / Coxim Agora)

“O próprio amigo da vítima diz que Washington saiu do local para evitar confusão. Ele já estava em casa jantando com a mãe dele que é idosa, quando a vítima chegou ao local gritando”, completa. Alex Viana explica que o tatuador saiu da residência e no meio da discussão, levou uma cabeçada e foi prensado na parede pela vítima. O amigo de Antônio ainda teria segurado o tatuador para que ele não retornasse para a residência.

“Foi quando ele se desvencilhou e ocorreram os disparos. Ele agiu para se defender”, ressalta o advogado. Antônio foi morto com cinco tiros. Alex Viana também confirma que o cliente pediu para que o amigo da vítima permanecesse no local até a chegada da Polícia Militar. O tatuador pediu para acionar a polícia e aguardou a chegada dos policiais ao local para explicar o ocorrido e entregar o revólver calibre 38. usado no crime.

Na delegacia, Washington confirmou que a discussão no bar começou porque Antônio dizia que faria parte do grupo e não o aceitava como integrante do Moto Clube denominado Abutres. Washington foi autuado por homicídio qualificado por motivo fútil e por posse ilegal de arma de fogo. Ele passou por audiência de custódia no fim de semana e teve a prisão em flagrante convertida em preventiva.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário