ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 27º

Interior

Encontro indígena em MS termina em meio a denúncias de violência e ameaças

Ministra recebeu ultimato de indígenas e documentaristas denunciam agressão de seguranças

Por Silvia Frias | 27/11/2023 08:16
Na sexta-feira, ministra Sônia Guajajara participou de encontro realizado em Caarapó (Foto: Helio de Freitas)
Na sexta-feira, ministra Sônia Guajajara participou de encontro realizado em Caarapó (Foto: Helio de Freitas)

Lideranças indígenas da etnia guarani-kaiowá encerraram, neste domingo (26), encontro em Caarapó, a 274 quilômetros de Campo Grande, para discutir diversos problemas vividos nas aldeias em áreas como saúde, educação e, também, questões relacionadas à demarcação de terras e violência praticada por fazendeiros contra a população.

O encontro teve a participação da ministra dos Povos Indígenas, Sônia Guajajara, na sexta-feira (24). Um documento foi entregue a ela, estabelecendo “ultimato” de 15 dias para avançar no processo de demarcação, sob ameaça de intensificação das lutas pela retomada de terras.

Organizado pela Aty Guasu, o encontro iniciado no dia 21 resultou em um documento com demandas que serão apresentadas a autoridades. Nesta edição, as principais reivindicações estão voltadas à homologação de terras e demarcações.

“A Aty Guasu é uma organização que existe desde 1970. É a grande assembleia do povo Guarani Kaiowá e Guarani Nhandeva da qual meus bisavós e avós fizeram parte. Crescemos no movimento, lutando diariamente por nossos territórios”, explicou à Agência Brasil a comunicadora da entidade, Sally Ñhandeva, também integrante da Apib (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil).

Sally explica que o objetivo da assembleia está focado principalmente no debate sobre o que falta nas aldeias. “Fala também da demarcação de terra. Nós, Guarani Kaiowá, somos o povo que mais sofre e o que mais briga pelo nosso território. Por isso, denunciamos também a falta de proteção em nosso estado. Somos um povo que resiste; um povo que sempre estará pronto para morrer pela nossa terra. Fazemos esta assembleia para isso: colocar as nossas demandas no papel e entregar para as autoridades”, acrescentou.

Agressão - O mais recente episódio de violência em Mato Grosso do Sul não envolveu indígenas, mas sim casal de documentaristas que registra a luta do povo guarani há dois anos. O fotojornalista canadense Renaud Philippe, 39 anos, e a cineasta e antropóloga Ana Carolina Mira Porto, 38, denunciaram agressão que teriam sofrido de seguranças e fazendeiros, em Iguatemi, a 412 km.

Eles, acompanhados do engenheiro florestal Renato Farac, foram até local onde teria ocorrido tentativa frustrada de ocupação perto da Fazenda Maringá.

O casal teve os equipamentos roubados e Renaud foi agredido a chutes e socos, além de ter parte do cabelo cortado a faca. O casal e Farac escaparam depois que o grupo se afastou para roubar os equipamentos e documentos. Ainda assim, foram seguidos até Tacuru. Eles foram para aldeia em Amambai e somente lá registraram a ocorrência na Polícia Civil. (Com informações da Agência Brasil)

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias