A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

29/08/2017 10:02

Escolas liberam alunos mais cedo e professores fazem assembleia às 15h

Greve parcial está na segunda semana e sindicato pediu para Câmara fazer auditoria nos repasses e contas da prefeitura

Helio de Freitas, de Dourados
Alunos deixam escola na área central de Dourados na manhã de hoje (Foto: Helio de Freitas)Alunos deixam escola na área central de Dourados na manhã de hoje (Foto: Helio de Freitas)

Os alunos da Rede Municipal de Ensino de Dourados, cidade a 233 km de Campo Grande, foram liberados mais cedo nesta terça-feira (29), no oitavo dia da greve parcial de professores e servidores administrativos. As escolas liberaram os estudantes entre 9h e 9h30 e no período da tarde as aulas terminam às 15h.

A greve parcial foi adotada na semana passada. De acordo com o Simted (Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação), a medida é uma forma de cumprir a liminar do Tribunal de Justiça, que obriga a entidade a manter dois terços dos professores trabalhando.

Entretanto, o tempo mais curto de aulas vem sendo criticado por alguns pais, que reclamam dos transtornos que precisam enfrentar para buscar os filhos na escola mais cedo, como ocorreu hoje, ou levá-los mais tarde, como aconteceu na semana passada.

Na assembleia de sexta-feira (25), os educadores chegaram a discutir a possibilidade de enfrentar a liminar do TJ e fazer greve total, mas a medida foi descartada, já que o desembargador Carlos Eduardo Contar estipulou multa de R$ 50 mil por dia ao sindicato, em caso de descumprimento. Uma nova assembleia acontece hoje às 15h, desta vez na Praça Antonio João, no centro de Dourados.

Auditoria – Em reunião ontem de manhã com a Comissão de Educação da Câmara de Dourados, os educadores pediram que o Legislativo faça a auditoria na folha de pagamento da Rede Municipal de Ensino e na conta bancária da prefeitura, para verificar os recursos recebidos em 2017 destinados à educação e saber como foram aplicados.

O ofício protocolado pelo sindicato reivindica que a Câmara solicite ao Executivo municipal a inclusão na prestação de contas do próximo quadrimestre (maio a agosto de 2017) do montante recebido neste ano para ser investido em educação e o valor de fato investido no setor.

Pede ainda que a prefeitura detalhe os gastos com folha de pagamento, transporte escolar e merenda e informe eventual dívida paga com recursos da educação, bem como seus credores.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions