ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, TERÇA  16    CAMPO GRANDE 28º

Interior

Garoto de 13 anos filmado com as vísceras expostas durante conflito está em UTI

Adolescente foi ferido com tiro no abdômen, mas sobreviveu; outro garoto de 17 anos segue internado

Por Anahi Zurutuza | 27/06/2022 16:47

Dois adolescentes indígenas, feridos em confronto com o Batalhão de Choque na Fazenda Borda da Mata, em Amambai, continuam internados no Hospital Regional de Ponta Porã. Um deles, conforme o defensor o defensor público Lucas Pimentel, do NUPIIR (Núcleo Institucional de Promoção e Defesa dos Povos Indígenas e da Igualdade Racial e Étnica), que coordenou a assistência aos guarani-kaiowá envolvidos no conflito, um deles, um garoto de 13 anos, está em UTI (Unidade de Tratamento Intensivo).

Ele é o menino que aparece em foto, divulgada pelos indígenas na sexta-feira (24), com as vísceras expostas. Como as informações eram muito desencontradas desde então, chegou-se a cogitar a possibilidade do garoto estar morto. Por enquanto, porém, a única morte confirmada é de Vito Fernandes, de 42 anos, que está sendo sepultado na tarde desta segunda-feira (27).

Garoto de 13 anos, ferido durante o confronto, está em UTI (Foto: Aty Guasu/Reprodução)
Garoto de 13 anos, ferido durante o confronto, está em UTI (Foto: Aty Guasu/Reprodução)

De acordo com o Hospital Regional de Ponta Porã, o garoto, ferido no abdômen por disparou de arma de fogo, teve lesão no fígado, mas está fora de perigo, embora permaneça em observação em UTI.

O outro adolescente, de 17 anos, foi atingido por tiro na perna direita e também está fora de perigo, mas continuará internado porque precisa passar por cirurgia.

Além dos meninos, outros dois adolescentes e três adultos da comunidade guarani-kaiowá precisaram de atendimento médico após o confronto. Três policiais do Batalhão de Choque também ficaram feridos. Todos, com exceção dos dois adolescentes que estão em Ponta Porã, já tiveram alta.

Projéteis deflagrados durante confronto e coletados no local da ocupação pelos guarani-kaiowá (Foto: Atya Guasu)
Projéteis deflagrados durante confronto e coletados no local da ocupação pelos guarani-kaiowá (Foto: Atya Guasu)

O confronto - Dois conflitos entre indígenas e policiais militares foram registrados em Mato Grosso do Sul na sexta-feira (24) e aconteceram um dia depois do protesto nacional contra o marco temporal. Em Mato Grosso do Sul, os guarani-kaiowá ocuparam duas áreas nas cidades de Naviraí e Amambai, distantes 359 km e 351 km de Campo Grande, respectivamente.

Em Amambai, o conflito foi na fazenda Borda da Mata, chamada pelos guarani de "Território de Guapo’y", terminou na morte de Vito Fernandes, além dos vários feridos. O defensor público Lucas Pimentel e o Cimi (Conselho Indigenista Missionário) falam que dezenas de indígenas deixaram de procurar hospitais ao saberem que os feridos levados para o pronto-socorro estavam recebendo voz de prisão.

A gerente da fazenda, Angélica Cristina Silveira Peixer, de 47 anos, alegou que os indígenas invadiram a área e, com a chegada do Batalhão de Choque, chegaram a deixar a fazenda. No entanto, após a saída dos policiais, ainda na quinta-feira (23), quatro indígenas entraram armados na propriedade, fizeram disparos de arma de fogo, ameaças e retomaram novamente o espaço.

Ainda conforme a gerente, no momento em que ela registrou o boletim de ocorrência, no dia 23, o imóvel rural estava ocupado por cerca de 30 indígenas, que, segundo ela, vandalizaram o local e causaram dano no interior da fazenda.

Em entrevista coletiva na sexta-feira (24), o secretário Antônio Carlos Videira disse que havia informação de que o gerente da propriedade rural havia sido expulso de casa, sob violência e que estavam ocorrendo roubos na área. Por isso, o Batalhão de Choque foi enviado. “Não foi reintegração de posse”, disse o secretário.

O Cimi contesta a informação, alegando que o Estado usurpou a competência da PF (Polícia Federal), sabendo se tratar de ocupação envolvendo indígenas.

Nos siga no Google Notícias