ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SÁBADO  25    CAMPO GRANDE 34º

Interior

Homem persegue mulher e cria fakes ao ser rejeitado

Homem não aceitou que mulher não quisesse ter nada com ele e começou a persegui-la

Por Lucia Morel | 01/08/2021 07:48
Delegacia Regional de Polícia Civil, em Corumbá. (Foto: Rodolfo César/Correio de Corumbá)
Delegacia Regional de Polícia Civil, em Corumbá. (Foto: Rodolfo César/Correio de Corumbá)

Mulher de 31 anos denunciou homem de 37 à DAM (Delegacia de Atendimento à Mulher) de Corumbá por criar contas fakes dela nas redes sociais e por persegui-la, também via online.

Ela contou que o conheceu pelo Instagram e marcaram encontro pessoalmente em viagem a Bonito. Ela é moradora de Corumbá e ele de Guarulhos (SP). Durante o encontro, segundo a vítima, não foi firmado qualquer tipo de compromisso entre os dois, sendo que ela teria deixado isso claro ao autor.

No entanto, ele, tentando firmar um relacionamento com ela, foi a Corumbá em 5 de julho, se hospedando em hotel e mantendo contato com a mulher. Ela, por sua vez, disse que não queria nada com ele, mas o homem não aceitou e começou a persegui-la nas redes sociais e até a proibindo de ter amizades.

Conforme relato dela à polícia, ele demonstrava ciúme excessivo se ela demorasse demais para respondê-lo, e assim, ela o bloqueou em todas as redes, impedindo contato. No entanto, o ataque dele recomeçou ao criar páginas fakes com o nome da mulher, que mostravam fotos dela de biquíni.

Com essas contas falsas, ele passava o número particular da vítima a várias pessoas e fazia telefonemas de outros números, até privados, "agindo de forma insistente com intuito de falar com a mesma e querer voltar a ter algo" com ela, conforme o boletim de ocorrência.

Ela, temendo por sua vida e com medo, denunciou o homem e representou criminalmente contra ele, além de ter solicitado medidas protetivas de urgência. O caso foi registrado no último dia 29 de julho como falsa identidade e perseguição, com pena aumentada se o crime é cometido contra mulher, por razões de gênero.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário