A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2017

17/04/2012 11:08

Justiça dá prazo para demarcação de terra indígena em Paranhos

Aline dos Santos

A decisão é inédita em Mato Grosso do Sul

Índios permanecem acampados em fazenda. (Foto: Divulgação)Índios permanecem acampados em fazenda. (Foto: Divulgação)

A União tem um ano, a partir de abril, para realizar a demarcação das terras reivindicadas por índios da etnia guarani-kaiowá em Paranhos, no Sul do Estado. A decisão é inédita.

A ação de reintegração de posse de parte da fazenda São Luís, ocupada pelos indígenas desde agosto de 2010, foi suspensa até a demarcação final das terras. A multa mensal pelo descumprimento da decisão é de R$ 50 mil. Os indígenas denominam o lugar de tekohá Ypo'i.

De acordo com a decisão do juiz substituto Érico Antonini, a demarcação urgente e precisa de terras indígenas é uma forma de acabar com o conflito, que gera prejuízos “não só aos índios, mas a quem possui ou pretende possuir terras nesta região”.

A Justiça aceitou os argumentos do MPF (Ministério Público Federal) de que a Constituição Federal define que o direito dos índios às suas terras de ocupação tradicional é anterior ao direito de propriedade. Desta forma, os títulos das áreas incidentes sobre terras indígenas são nulos.

A região é palco de conflitos. Em 31 de outubro de 2009, um grupo armado foi até a fazenda para expulsar os índios. Na ação, os professores Jenivaldo e Rolindo Vera foram mortos. Denunciados pelo MPF, políticos e fazendeiros da região respondem na Justiça por homicídio qualificado – sem possibilidade de defesa da vítima -, ocultação dos cadáveres, disparo de arma de fogo e lesão corporal contra idoso.

O corpo de Jenivaldo foi encontrado uma semana depois, em 7 de novembro, próximo ao local do conflito. A perícia comprovou que a morte foi causada por um tiro nas costas. O corpo de Rolindo não foi encontrado até hoje.

Depois de expulsos em 2009, os indígenas voltaram à área de reserva legal da fazenda em agosto de 2010. Até a atual decisão, eles ficaram amparados por decisão do TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), que cassou ordem de reintegração de posse “até a produção de prova pericial antropológica”.

Após 2 anos, 6 são denunciados por matar professores índios em Paranhos
Dois anos depois do desaparecimento de professores indígenas em Paranhos, na região Sul do Estado, o Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul...
Sete presos são flagrados tentando fugir de delegacia serrando grades
Sete presos foram flagrados serrando as grades de uma delegacia por um investigador que estava de plantão. O caso aconteceu às 15h30 de ontem (26) em...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions