ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEXTA  14    CAMPO GRANDE 28º

Interior

MPE investiga morte de bebê após parto em Sete Quedas

Casal denunciou a perda do filho para que outras famílias não vivam mesmo sofrimento

Por Maristela Brunetto | 19/05/2024 09:22
Casal preparou enxoval, comprou móveis para receber Eric; alegria da espera transformou-se em ausência e dor (Fotos: Arquivo pessoal)
Casal preparou enxoval, comprou móveis para receber Eric; alegria da espera transformou-se em ausência e dor (Fotos: Arquivo pessoal)

Raquel Ribeiro dos santos, 32 anos, e Rafael Henrique de Souza Algozo, 35 anos, se prepararam para o momento mais importante da vida deles. Compraram berço, fizeram enxoval, ela fez pré-natal. Tudo estava bem para receber Eric, o primeiro filho do casal. O que seria a alegria para os dois tornou-se uma dor sem nome. Cerca de duas horas após o parto, sem o bebê ter sido mostrado à mãe, veio a informação de que o neném tinha morrido.

Os dois não se conformaram e levaram o caso à Polícia Civil de Sete Quedas e ao Ministério Público, para que investiguem o hospital mantido pela Prefeitura. Essa dor se arrasta desde fevereiro. Na semana passada o promotor local, Leonardo Dumont Palmerston, publicou a instauração de inquérito civil.

Os pais dizem que resolveram não silenciar para que o drama não se repita com outras famílias. “Não quero que outra pessoa passe pelo que a gente passou”, diz Raquel. Ela conta que o parto foi realizado por enfermeiras, sem a presença de médico.  O bebê se mexeu até o último minuto, disse.

Raquel contou que fez pré-natal e tudo transcorreu bem até durante o parto; notícia só veio quando reclamou da demora para conhecer o filho
Raquel contou que fez pré-natal e tudo transcorreu bem até durante o parto; notícia só veio quando reclamou da demora para conhecer o filho

O casal passou horas no hospital e tudo parecia normal, com as contrações, o rompimento da bolsa, entretanto Rafael não pôde ficar junto durante o procedimento. Disse que foi encaminhado para fora da sala. Duas horas depois, sem poder ver o bebê, a mãe questionou. Foi quando recebeu a notícia de que o neném não tinha vida. Segundo ela, a informação só chegou porque ela questionou a ausência do filho.

Raquel não conseguiu ver Eric, mas Rafael fez questão de ver. Disse que não havia nenhum sinal aparente de problemas com o bebê. Ele questionou a agilidade em chamar os serviços funerários para retirá-lo do hospital. Disse que a informação que lhe repassaram foi que ele nasceu sem vida.

Raquel conta que chegou a receber recomendação de moradores de Sete Quedas para fosse realizar o parto fora da cidade, mas como todo o acompanhamento demonstrava normalidade, não viu risco para dar à luz o bebê na cidade, escolha que acabou trazendo perda e dor.

Ela já tem duas filhas, seria o primeiro filho do casal. Rafael contou que precisou devolver os móveis. O enxoval é uma lembrança da preparação para a chegada do menino. Raquel atribui a morte do bebê à falta de cuidado no serviço de saúde. “Culpo muito eles”. Na conversa com Rafael é possível perceber muita revolta e consternação com a perda do “moleque”.

Ele complementa que chegou a dizer às enfermeiras que fosse feita cesárea se fosse difícil retirar o bebê por parto natural. Primeiro, disseram que tudo tinha dado certo e mãe e bebê estavam bem e, depois, foi informado que já não havia mais o que fazer pela criança, que tinha nascido morta.

Assim como a esposa, ele não aceita silenciar sobre o que ocorreu, para que a história não se repita. O casal planeja tentar de novo ter um bebê, só que dessa vez, Raquel diz que não quer fazer o parto na cidade.

Investigação – A reportagem não conseguiu obter detalhes da investigação do Ministério Público, porque o acesso aos documentos é fechado. Por meio da assessoria de imprensa, a Promotoria divulgou que já recebeu informações e documentos do hospital e agora espera a manifestação da Prefeitura.

A Polícia Civil também confirmou existência de registro de ocorrência sobre a morte do bebê. Já a Prefeitura divulgou que não iria se manifestar porque se refere a um caso que corre em sigilo.

Hospital municipal, onde ocorreu o parto. Promotoria cobrou explicações da instituição e da prefeitura
Hospital municipal, onde ocorreu o parto. Promotoria cobrou explicações da instituição e da prefeitura


Nos siga no Google Notícias