A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 24 de Março de 2017

06/11/2013 20:50

MPF investiga comerciantes que retém documentos de indígenas

Vinícius Squinelo

O Ministério Público Federal fiscalizou na manhã desta quarta-feira (6) os estabelecimentos comerciais de Dourados localizados nos arredores das aldeias Bororó, Jaguapiru e Panambizinho. A ação contou com o apoio da Funai, Inmetro, Procon, Vigilância Sanitária, Secretaria de Finanças Municipal e Força Nacional.

A ação resultou na apreensão de alimentos inadequados para consumo e na análise de preços e quantidade dos produtos ofertados aos índios e dos alvarás dos estabelecimentos. O objetivo da ação é coibir práticas abusivas aos consumidores indígenas, especialmente após denúncias de retenção de cartões pessoais como garantia de pagamento.

As visitas, que também serão realizadas nos comércios instalados no interior das aldeias, foram acompanhadas de Recomendação do MPF que alerta sobre o abuso na apreensão de documentos. Segundo o órgão ministerial, a prática, além de violar o direito do consumidor, configura crime e gera dano moral à coletividade indígena.

Após as fiscalizações, ações criminais e cíveis devem ser ajuizadas pelo Ministério Público Federal contra os comerciantes notificados.

Dupla armada invade casa, rende família e foge levando carro e celulares
Bandidos armados aproveitaram que o portão de uma residência estava aberto e renderam uma família com seis pessoas, roubaram celulares e fugiram leva...
Mulher sai para beber e deixa dois filhos sozinhos em casa
Uma mulher de 27 anos abandonou os filhos em casa e saiu para beber. Ela foi denunciada por vizinhos e as crianças foram encaminhadas ao Conselho Tut...
Idoso de 85 anos é baleado ao atender chamado na porta de casa
Por volta das 21h30 desta quinta-feira (23) um idoso de 85 anos foi baleado na porta de casa, na avenida Mato Grosso, região central de Itaquiraí - d...
Homem que mantinha mulher e oito filhos em cárcere privado é preso
Um homem que mantinha sua mulher e seus oito filhos em cárcere privado dentro de um quarto, no Conjunto Pantanal, em Corumbá - cidade localizada a 41...



Quanta maldade, da vergonha de ser chamada de raça humana.
Gostaria se ser qualquer outro animal.
Nada é pior que gente.
 
Mirella Forti Cossignani em 06/11/2013 21:16:27
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions