ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, TERÇA  24    CAMPO GRANDE 33º

Interior

Mulheres que mataram idosa asfixiada em plástico filme pegam 52 anos de prisão

Embora assassinato tenha sido em 2017, identificação do corpo só ocorreu em 2019; denúncia anônima levou polícia à Karina e Sherry

Por Anahi Zurutuza | 26/10/2020 14:00
Corpo de idosa foi encontrado em fevereiro de 2017, às margens de rodovia (Foto: Maracaju Speed)
Corpo de idosa foi encontrado em fevereiro de 2017, às margens de rodovia (Foto: Maracaju Speed)

Quase quatro anos após o crime, Karina Beatriz Ferreira, de 49 anos, e Sherry Silva Maciel, 39, foram condenadas a 29 e 23 anos de prisão, respectivamente, por matar asfixiada e atear fogo ao corpo da idosa Lídia Ferreira de Lima, de 61 anos. O cadáver foi encontrado enrolado em plástico filme, em fevereiro de 2017 às margens da MS-162, em Maracaju.

Karina Beatriz foi condenada por homicídio qualificado por motivo fútil, meio cruel (asfixia) e recurso que impossibilitou a defesa da vítima, além dos crimes de ocultação de cadáver e estelionato. Já Sherry terá de cumprir pena pelo assassinato e tentativa de dar fim ao corpo.

Embora o assassinato tenha sido em 2017, a identificação do cadáver só ocorreu em junho de 2019 e apesar do corpo ter sido encontrado em Maracaju, os crimes aconteceram em Sidrolândia.

A polícia chegou à dupla após denúncia anônima que incriminava Karina e ainda pela descoberta de que a dupla estava utilizando cartão da idosa para receber sua aposentadoria, entre maio de 2017 e agosto de 2018.

Karina e Sherry, segundo as investigações, planejaram o assassinato, mas antes disso, usufruíam da confiança da idosa, que morava sozinha e estava fragilizada com a morte da mãe.

Ainda conforme a acusação, Karina conheceu Lídia em um “centro espírita”, pouco depois da morte da mãe da idosa e a convenceu de que era capaz de incorporar o espírito de pessoas que morreram.

Para conseguir manter contato com a mãe, Lídia se mudou para casa de Karina e viveu por dois anos praticamente em cárcere privado, trancada em um quarto. Já nessa época, a suspeita começou a receber o benefício no lugar da aposentada. Em 2017, a família da vítima entrou na Justiça para pedir a interdição da idosa.

Como corria risco de perder a aposentadoria, Karina planejou o assassinato e contou com a ajuda de Sherry.

“No dia do crime, as denunciadas ministraram algum tipo de remédio para deixar a vítima sonolenta, e em seguida a enrolaram em plástico filme, inclusive a cabeça e narinas, obstruindo assim as vias áreas. A causa da morte foi asfixia mecânica”, diz a denúncia.

Depois de matar, as duas levaram o corpo a cerca de 90 km de Sidrolândia, em local conhecido como “trevo da estrada da Água Fria”, e atearam fogo no corpo. Ainda conforme a acusação, as mulheres tinham a intenção de dificultar a identificação da vítima – vestira luvas cirúrgicas nas mãos da idosa para garantir a queima completa das digitais.

As duas mulheres estão presas preventivamente desde abril de 2019. Karina é ex-merendeira da Escola Estadual Catarina de Abreu e foi candidata a vereadora por Sidrolândia em 2016. Já Sherry foi presidente do diretório municipal do PC do B.

Elas foram a júri popular na quinta-feira (22) e na sentença, juiz Claudio Müller Pareja manteve as prisões. “Tendo em vista a pena fixada, bem como a hediondez do crime, além da presença dos motivos ensejadores da prisão, conforme analisada na decisão, não concedo o direito de apelar em liberdade”. O julgamento durou mais de 15  horas, segundo o site Noticidade, de  Sidrolândia.

Julgamento levou horas e a dupla acabou condenada (Foto: Suélen Duarte/Noticidade)
Julgamento levou horas e a dupla acabou condenada (Foto: Suélen Duarte/Noticidade)


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário