ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEGUNDA  04    CAMPO GRANDE 23º

Interior

Polícia segue sem pistas de mulher que vendeu a filha por R$ 6 mil em Maracaju

Bruno Chaves | 29/11/2013 14:22

Suspeita de negociar a venda da própria filha por R$ 6 mil, a garota de programa Gilmara Cordeiro Carvalho, 23 anos, ainda é procurada pela Polícia Civil de Maracaju – a 160 quilômetros de Campo Grande. Até o momento, não existem pistas sobre o paradeiro dela, informou o delegado responsável pelo caso, Amylcar Eduardo Paracatu Romero.

“Estamos diligenciando. Segundo denúncias, ela estaria em São Luiz (MA). Mas o último endereço que a polícia tem dela é de Macapá (AP)”, afirmou Amylcar que também procura a mulher na região de Dourados.

A polícia acredita que Gilmara possa ter fugido para São Luiz, mesma cidade onde reside o pai biológico da criança vendida. Amylcar solicitou à Polícia Civil de Maranhão ajuda na procura da mãe. Mas até o momento, nenhuma resposta foi obtida.

“Entrei em contato e estamos aguardando. O problema é que o último endereço que a polícia tem dela é de Macapá, onde ela morava com a família”, comentou.

Para o delegado, o depoimento de Gilmara acrescentaria na investigação sobre a possível venda da criança, que nasceu no dia 31 de outubro.

Entenda o caso – Após denuncias de populares, a Polícia Civil apreendeu a menina recém-nascida no dia 22 de novembro. A informação é de que a criança teria sido vendida pela própria mãe, uma garota de programa que não estava mais na cidade.

Antes mesmo de a criança nascer, a polícia já havia recebido informações de que Gilmara poderia comercializar a filha. A mulher foi chamada para prestar esclarecimentos na delegacia, mas negou que venderia o bebê.

Após o nascimento, a polícia requisitou ao cartório da cidade cópia da certidão de nascimento da criança e chegou a Gabriel Binz de Oliveira, 33 anos, apontado como pai do bebê.

Gabriel, que é genro da proprietária da boate onde Gilmara trabalhava, confessou que registrou falsamente a criança. Ele foi indiciado por registrar falsamente a criança como filha. Para este crime, a pena é de dois a seis anos de reclusão.

Já a mãe, quando localizada, pode ser indiciada por entregar criança mediante pagamento, cuja pena, prevista pelo Eca (Estatuto da Criança e do Adolescente), determina até quatro anos de prisão.

O futuro da menina, que tem menos de um mês de vida e está em um abrigo de Maracaju, permanece nas mãos do juiz da Vara da Família.

Nos siga no Google Notícias