A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

26/02/2016 16:32

Polícia suspeita que os dois homens que mataram jovem sejam paraguaios

Mariana Rodrigues
Roberson Trindade Denuncio, foi encontrado com tiros na nuca. (Foto: Reprodução/Facebook)Roberson Trindade Denuncio, foi encontrado com tiros na nuca. (Foto: Reprodução/Facebook)

A Polícia de Mundo Novo, distante 476 quilômetros de Campo Grande, não descarta a hipótese de que os dois homens que mataram Roberson Trindade Denuncio, 23 anos sejam moradores do Paraguai. Até o momento ninguém foi preso e as investigações continuam tanto no município onde o jovem morava quanto do lado paraguaio, onde ele trabalhou e tinha uma namorada.

Segundo o delegado José Eduardo Rocha, responsável pelas investigações, ainda não há uma linha de investigação definida e nem suspeitos de cometer o crime, a Polícia Paraguaia está ajudando nas investigações para elucidar o crime e prender os autores, já que a vítima já trabalhou na cidade vizinha. "Ainda não temos nenhum suspeito, mas podem ser tantos paraguaios quanto brasileiros".

Rocha disse ao Campo Grande News, que o jovem namorava há um ano e dois meses com uma paraguaia, ela já foi identificada e ouvida, mesmo assim a polícia não descarta a hipótese do crime ser passional.

O pai da vítima, que também estava no local no momento do crime, foi ouvido, porém não soube dar mais detalhes do que aconteceu, já que foi rendido pelos bandidos e acabou desmaiando. "Ele não conseguiu descrever como eram os assassinos até porque estava escuro e ele estava bem abalado". O delegado também informou que ainda não tem nenhum suspeito para o caso.

Questionado sobre as fotos das redes sociais em que Roberson aparece em posse de armas, o delegado informou que a vítima havia feito um curso de vigilante no Paraná e por isso as armas, mas que isso não tem nenhuma informação com o crime.

Caso - O crime ocorreu na madrugada de quinta-feira (25), na residência de Roberson Trindade Denuncio, localizada no Assentamento Pedro Ramalho. Ele estava com as mãos amarradas para trás, em cima de uma cama de casal, já morto. A polícia encontrou marcas de tiros na nuca dele e havia muito sangue na cabeça da vítima e no colchão onde foi encontrado. O pai dele também estava no local, amarrado, mas com vida.

Dois estojos de munição calibre 9mm, deflagrados, foram encontrados na residência, assim como um pingente em formato de âncora, provavelmente de corrente de pescoço. O episódio foi registrado como homicídio qualificado por uso de recurso que dificulte a defesa da vítima.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions