ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, SEXTA  28    CAMPO GRANDE 22º

Interior

Quatro são presos por desvio de R$ 100 mil em combustível de empresa

Grupo desviava mil litros de óleo diesel de uma a duas vezes por semana, durante dois meses

Por Ana Oshiro | 14/01/2022 09:51
Caminhão foi apreendido no momento que dupla tentava desviar mais combustível de empresa. (Foto: Divulgação/PCMS)
Caminhão foi apreendido no momento que dupla tentava desviar mais combustível de empresa. (Foto: Divulgação/PCMS)

Três homens e uma mulher foram presos em flagrante pelo SIG (Setor de Investigações Gerais) da Polícia Civil de Ribas do Rio Pardo, a 98 km da Capital, por furto qualificado e associação criminosa.

De acordo com o delegado Bruno Santacatharina, os suspeitos estavam sendo investigados porque, há aproximadamente dois meses, estariam desviando grande quantidade de combustível da própria empresa onde trabalham.

Dois homens eram motoristas de caminhão e um outro auxiliar de obras. A esposa de um deles também dava cobertura para a retirada de óleo diesel sem autorização dos proprietários.

Nesta quinta-feira (13), a equipe do SIG recebeu várias denúncias anônimas de que os suspeitos utilizariam mais uma vez o caminhão da empresa para o desvio do combustível, então, conseguiram interceptar o caminhão, que estava fora do perímetro permitido. Dois homens foram abordados e confessaram o furto. Eles receberam voz de prisão.

O outro homem e a mulher, que são casados, ficaram rondando de carro a unidade policial onde os comparsas estavam, a polícia percebeu e perseguiu os dois. Eles também receberam voz de prisão por furto qualificado e associação criminosa.

Na delegacia, depois de ouvir testemunhas, concluiu-se que o grupo chegou a lucrar aproximadamente R$ 100 mil em apenas dois meses. Supostamente desviando mil litros de combustível de uma a duas vezes por semana.

No caminhão que era dirigido na ocasião do flagrante, a Polícia Civil conseguiu recuperar em torno de R$ 5 mil em litros de óleo diesel e 80 litros de óleo lubrificante, antes que os produtos pudessem ser vendidos de forma ilegal.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário