ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, TERÇA  07    CAMPO GRANDE 25º

Interior

Temer assina acordo com Paraguai para construir ponte em Murtinho

Discussão se arrasta há quase dois anos, mas decreto publicado hoje deve acelerar projeto para interligar MS a Carmelo Peralta

Por Helio de Freitas, de Dourados | 17/08/2018 10:51
Trecho do Rio Paraguai no município de Porto Murtinho, onde vai ser construída ponte (Foto: Toninho Ruiz)
Trecho do Rio Paraguai no município de Porto Murtinho, onde vai ser construída ponte (Foto: Toninho Ruiz)

A concretização do corredor bioceânico ligando o Brasil aos portos ao norte do Chile, na costa do Pacífico, deu mais um passo nesta semana. Foi publicado no Diário Oficial da União de quarta-feira (15) o decreto assinado pelo presidente Michel promulgando o acordo entre o Brasil e o governo paraguaio para a construção da ponte sobre o Rio Paraguai entre as cidades de Porto Murtinho (MS) e Carmelo Peralta, firmado em 8 de junho de 2016.

A ponte de concreto sobre o Rio Paraguai terá 500 metros de cumprimento. A construção entre os dois países já foi aprovada pelo Congresso Nacional em abril deste ano.

A ponte será edificada em uma área a 6 km acima do porto de Murtinho, em frente a Carmelo Peralta, no Paraguai. Nesse local o rio tem menor extensão e o valor da obra foi estimado em R$ 270 milhões.

De acordo com o decreto de Michel Temer, a construção da ponte unindo Porto Murtinho e Carmelo Peralta contribuirá para o desenvolvimento sustentável em ambos os lados da fronteira e vai permitir a integração física sul-americana através de corredores bioceânicos.

A promulgação do acordo cria uma comissão mista formada por representantes do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte), do Brasil, e do Ministério de Obras Públicas e Comunicações do Paraguai.

Caberá a essa comissão encomendar os documentos necessários à elaboração dos de estudos, projetos de engenharia e editais para a construção e supervisão da obra.

Os custos decorrentes da elaboração dos estudos, projetos e construção da ponte serão compartilhados pelos dois países. Os procedimentos licitatórios estarão consubstanciados em editais binacionais e as obras deverão ser executadas exclusivamente por empresas estabelecidas no Brasil ou no Paraguai.

Cada país ficará responsável pelas obras complementares, acessos à ponte e postos de fronteira. Também caberá a cada país o custo referente a desapropriações necessárias para implantação das obras.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário