ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 26º

Interior

Traficantes trocam tiros com policiais e abandonam droga na margem de rio

Confronto ocorreu na mesma região onde helicóptero militar foi atingido a tiros de fuzil

Por Helio de Freitas, de Dourados | 21/06/2024 11:39


Traficantes de drogas trocaram tiros com policiais paraguaios na tarde desta quinta-feira (21) em área com forte atuação do crime organizado na linha internacional com Mato Grosso do Sul, na região de Paranhos. O confronto ocorreu na margem do Rio Jejuí, perto de Villa Ygatimí, povoado do departamento de Canindeyú localizado a 30 km do território sul-mato-grossense.

Ao perceberem a presença dos policiais, os bandidos abandonaram os fardos de droga na margem do rio, abriram fogo com escopetas e fugiram de lancha. Os policiais revidaram ao ataque (veja o vídeo acima).

A região onde ocorreu o confronto fica a menos de 50 quilômetros do local onde helicóptero da Força Aérea paraguaia com nove militares foi alvejado a tiros de fuzil, ontem à tarde. Dois oficiais ficaram feridos sem gravidade.

Em entrevista hoje à mídia paraguaia, o comissário Alex Sanabria, do Departamento Antinarcóticos da Polícia Nacional, informou que a equipe fazia policiamento na região conhecida como Sete Montes quando percebeu uma lancha se afastando da margem do rio onde estavam fardos de maconha.

Com a embarcação em movimento, os traficantes abriram fogo na direção dos policiais e fugiram. Os agentes também atiraram, mas ninguém foi atingido. As bolsas continham 372 quilos de maconha.

Policiais paraguaios acreditam que a lancha foi usada para levar a droga dos centros de produção até a margem do rio, de onde seria transportada de carro até o lado brasileiro da fronteira.

Alex Sanabria informou que a região onde ocorreu o confronto também possui influência do cartel controlado por Felipe Santiago Acosta Riveros, o “Macho”, atualmente o bandido mais procurado pela polícia do Paraguai.

Instalado na linha internacional com MS após ser condenado a 25 anos de prisão por homicídio e fugir da cadeia, Felipe Acosta é fornecedor de maconha e cocaína de facções brasileiras e acusado de ordenar assassinatos de traficantes rivais.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias