ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  22    CAMPO GRANDE 26º

Interior

Três são presos em casa de prostituição que explorava adolescentes

Irmãs de 13 e 15 anos foram flagradas na boate Casa Verde, na Rua Ponta Porã, em Dourados

Helio de Freitas, de Dourados | 27/04/2023 09:29
Os três presos quando chegavam à delegacia, ontem à noite (Foto: Adilson Domingos)
Os três presos quando chegavam à delegacia, ontem à noite (Foto: Adilson Domingos)

Casa de prostituição localizada em bairro nobre de Dourados (a 251 km de Campo Grande) foi fechada nesta quarta-feira (26) pela Guarda Municipal e Conselho Tutelar por explorar sexualmente duas adolescentes. As irmãs, de 13 e 15 anos, foram encontradas no estabelecimento, localizado na Rua Ponta Porã, no Jardim Progresso, região oeste da cidade.

O gerente do local, Vitor Felipe Dias de Godoi, 24, o segurança da boate Taiuan Gabriel de Oliveira Barbosa, 20, e o piscineiro Gilvan de Assis Figueiredo, 43, foram presos e levados para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário). Na casa, os guardas também encontraram droga.

Vitor Godoi foi autuado em flagrante por estupro de vulnerável, tráfico de drogas, favorecimento da prostituição e rufianismo. Gilvan e Taiuan foram autuados por favorecimento da prostituição.

Casa localizada na Rua Ponta Porã, onde adolescentes eram exploradas (Foto: Adilson Domingos)
Casa localizada na Rua Ponta Porã, onde adolescentes eram exploradas (Foto: Adilson Domingos)

Irmãs adolescentes – A Guarda Municipal e o Conselho Tutelar chegaram ao local após denúncia feita pela mulher do avô das duas irmãs, com quem as adolescentes moram, na Sitioca Síria Rasselen.

Segundo a mulher, as duas meninas saíram de casa na terça-feira (25) junto com outras garotas falando que iriam para a boate “Casa Verde”. Por volta de 6h da manhã de ontem, a adolescente de 15 anos ligou para a avó e disse que ela e a irmã de 13 estavam se prostituindo para ajudar nas despesas e perguntou se a mulher autorizava que elas ficassem no prostíbulo por uma semana, para ganhar dinheiro, e que depois voltariam para casa.

A avó das meninas disse que não concordou e falou que desejava que as netas estudassem. Segundo ela, as meninas estavam bêbadas, “louconas”, e não conseguiam falar direito. A mulher procurou o Conselho Tutelar e foi com os conselheiros até o estabelecimento, onde encontrou as duas adolescentes. Outras mulheres trabalhavam na casa, mas todas adultas, segundo a Guarda Municipal.

Nos siga no Google Notícias