A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

09/01/2008 09:29

Jacini diz não ter solução a curto prazo para Colônia

Redação

O secretário de Justiça e Segurança Pública, Wantuir Jacini, disse que "não existe uma solução a curto prazo para Colônia Penal Agrícola". Em visita hoje cedo ao local, onde ficam os presos do regime semi-aberto, ele defendeu como única alternativa a transferência para outra região de Campo Grande e criticou a reação negativa diante dessa possibilidade. "Seria a melhor solução, mas o problema é que políticos demagogos e a própria sociedade não aceitam a transferência para nenhum local." A saída, diante da resistência, seria investir em reforma da atual Colônia, o que dependeria de recursos do governo do Estado. Mas o secretário não fez qualquer previsão de início de obras.

Os escândalos envolvendo a Colônia Penal Agrícola são freqüentes em Mato Grosso do Sul. Na segunda-feira passada foram flagradas prostituas, drogas e bebidas entre os presos. Hoje, o saldo de mais um pente-fino feito pelos policiais foi de facas, mais drogas, celulares e presos pegos em flagrante voltando para o Colônia depois do horário determinado.

Durante as contagens, feitas a cada operação, sempre o número de detentos presente é menor que o registrado. No dia 7 faltavam 49 no momento da conferência e hoje não estavam no local 24 presos. No regime semi-aberto,o detento pode trabalhar durante o dia, mas tem de dormir na Colônia. "O que normalmente não ocorre", denuncia o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários de Mato Grosso do Sul, Fernando Anunciação

Ele concorda que a melhor alternativa seria a transferência, mas também defende que a Colônia seja transformada em um Centro de Reabilitação, o que custaria R$ 4 milhões. "Qualquer outra medida seria uma solução paliativa só por causa da repercussão ruim com os últimos fatos".

O maior problema ainda seria a superlotação, a falta de ações de ressocialização e, principalmente o número pequeno de agentes para garantir a segurança e a disciplina. Segundo Anunciação, em todo o Estado são 1,3 mil agente nos presídios, mas a quantidade ideal seria mais que o dobro. "o governo abriu concurso para apenas 400 vagas, mas a segunda fase ainda está pendente, "E ninguém sabe quando vai encerrar", diz Anunciação.

O risco é grande entre os funcionários, mas também é sacrificante para os presos, reclama o detento Davi Espinosa, de 45 anos. Preso por tráfico de drogas ele reforça que muitos têm de dormir em barracões, fora do prédio. "As condições são feias", resume.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions