A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 18 de Janeiro de 2018

19/02/2014 13:34

Legalização de ambulantes nos terminais de ônibus causa polêmica

Viviane Oliveira
Vendedor ambulante no terminal General Osório, região do Coronel Antonino. (Foto: Marcos Ermínio) Vendedor ambulante no terminal General Osório, região do Coronel Antonino. (Foto: Marcos Ermínio)

Virou polêmica o projeto de lei que permite a presença de vendedores ambulantes nos oito terminais de transbordo em Campo Grande. De um lado os comerciantes dizem que é injusto porque os ambulantes não pagam impostos. Do outro, os vendedores informais se defendem alegando que só querem trabalhar com dignidade.

O comerciante Manoel Francisco Guimarães, 52 anos, tem uma pequena loja em frente ao terminal General Osório e se diz prejudicado com a permanência dos vendedores no local. “Eu pago aluguel do imóvel, água, luz e impostos. No final das contas tenho que vender o produto um pouco mais caro para conseguir me manter”, reclama.

Ele alega que o ambulante acaba vendendo a mesma mercadoria mais barata, pois não tem gastos que um comerciante legalizado tem. “Não sou contra eles, pelo contrário até repasso mercadoria para eles venderem no terminal, mas não é justo com a gente”, lamenta, acrescentando que até brinquedo é comercializado nos terminais.

“Isso é uma palhaçada”. O desabafo é de Glaucea da Silva Paim, 30 anos, que vende salgados próximo ao terminal para ajudar a mãe. “Nós também pagamos impostos e ainda não montamos um negócio porque o dinheiro mal dá para comer, afirma.

A eletricista Patrícia Penaves, 31 anos, é a favor dos ambulantes continuarem nos terminais. Para ela, todo mundo tem o direito de trabalhar com dignidade. “É justo. A prefeitura deveria legalizar e fiscalizar”, destaca.

Patrícia é a favor dos ambulantes e diz que a Prefeitura deve apoiar e legalizar o projeto. (Foto: Marcos Ermínio) Patrícia é a favor dos ambulantes e diz que a Prefeitura deve apoiar e legalizar o projeto. (Foto: Marcos Ermínio)
Manoel Francisco se diz prejudicado, pois a concorrência e desleal. (Foto: Marcos Ermínio) Manoel Francisco se diz prejudicado, pois a concorrência e desleal. (Foto: Marcos Ermínio)

A comerciante Eliza Regina da Cruz, 42 anos, acha desleal a concorrência com os ambulantes. Ela tem uma lanchonete na região do bairro Coronel Antonino e disputa a clientela com os vendedores informais. “Qualquer deslize aqui, a Vigilância Sanitária multa, nos terminais os ambulantes manuseiam os alimentos do jeito que bem entendem e não dá em nada”.

De autoria do vereador Coringa (PSD), o projeto aprovado nesta terça-feira por unanimidade, prevê a necessidade de o vendedor obter cadastro da prefeitura. Para obter o documento, o ambulante precisará provar não ter renda formal e confirmar a necessidade da ativada para garantir o sustento da família.

Ainda conforme o projeto, para assegurar a licença será necessário fazer parte da associação. A proposta prevê também multa de R$ 100 até R$ 1 mil para o ambulante que desrespeitar as regras, como por exemplo, comercializar produtos não autorizados. Para começar a valer, o projeto precisa ser aprovado pelo prefeito Alcides Bernal (PP).

Resultado do Enem será divulgado na manhã desta quinta-feira
Os resultados do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2017 serão divulgados na manhã desta quinta-feira (18), de acordo com o MEC (Ministério da Edu...
MEC autoriza uso de nome social na educação básica para travestis e transexuais
Resolução do Ministério da Educação (MEC) homologada hoje (17) autoriza o uso do nome social de travestis e transexuais nos registros escolares da ed...


Sou contra a legalização de ambulantes
Tem lanchonete dentro do terminal, que com toda certeza, o dono não está ali de graça, tem imposto, aluguel, tem vigilância sanitária e um monte de coisas mais.
Ai vem um ambulante, nada contra, mas ele não está pagando imposto para comercializar ali, nem aluguel, nem nada. Nem mesmo procedência dos produtos, tanto comestíveis, quanto muambas vindas do Paraguai, até calcinha fio dental tem no Terminal Guaicurus.
Quando é assim, o Vereador deve ter algum parente que é vendedor ambulante e está tentando regularizar a situação do mesmo..
 
Luanna Petrus em 20/02/2014 11:38:00
Cada vereador medíocre que aparece!...querem apenas garantir eleitor sem preocupar com a higiene dos produtos e vendedores. Eu não compro nada de vendedor ambulante. Nada.
 
Jorge Junior em 19/02/2014 19:04:53
O grande interessado , que é a população será que foi ouvida??? Pergunte aos passageiros que diariamente tem que ficar disputando espaço para embarcar nos ônibus com a quantidade de ambulantes - verdadeira feira livre - que virou nossos terminais.
A coisa tem que ser legal tem que haver limite de ambulantes - tem que pagar impostos e cumprir as regras como todos os cidadãos.
Quem vende gêneros alimentícios será que tem visto a inspeção sanitária????
 
Robson Strengari em 19/02/2014 18:20:56
Sinceramente... ambulantes dentro dos terminais atrapalham até as pessoas que embarcam e desembarcam nos terminais, que já tem fluxo gigantesco. Fica instransitável com certos abusos dos ambulantes. Não sou a favor.
 
Ana Cristina Ferreira em 19/02/2014 17:23:55
nao sou contra ninguem trabalhar mais desde que tenha orzanisaçao vendedores ambulante nos terminais nao tem um lugar apropiado fica no meio do povo grita vendendo seu produto mais do outro lado paga numa coca cola lata 350 na lanchonete enquanto ambulante vende a mesma por 250 precisamos sim de concorencia mais leal ideal seria construir mais de uma lanchonete dentro dos terminais asim asim usuario teria opeçao nao ficaria obrigado a um lugar so os preços sera mais barato
 
antonio pereira em 19/02/2014 17:09:26
é uma bagunça esse povo la sei que todos tem que ganhar dinheiro porém não daquele jeito não da para andar cheio de vendedores de óculos bijuterias e outros atrapalhando os corredores
 
CLAUDINEI BRAZ DE LIMA em 19/02/2014 16:37:19
Não sou contra e nem a favor, todos tem espaço e direitos, mais muito em breve não haverá mais "passageiros clientes do transporte coletivo" nos terminais, mais apenas um amontoado de ambulantes, que muitos em maioria sem o devido alvará, e ainda mais com essa "organização" na prefeitura municipal de Campo Grande...
 
Eduardo Semir em 19/02/2014 16:11:47
Essa questão precisa ser analisada sob dois pontos:
1 - quanto a questão de "legalizar" a situação dos trabalhadores (concordo, as pessoas estão trabalhando e ganhando o seu sustento)
2 - quanto a questão sanitária no caso de alimentos (os alimentos estão sendo manipulados e produzidos dentro das normas de Boas Práticas de Manipulação de Alimentos? Afinal, se houver contaminantes o prejudicado serão as pessoas que se alimentarem de tais alimentos)
 
Claudinei Ferreira em 19/02/2014 15:51:07
Então, caso dificil, eu tambem só quero trabalhar com dignidade e pago imposto, todos os comerciantes pagam, imposto, água, luz, funcionarios e impostos que incidem sobre seus funcionarios, aluguel, iptu, cafézinho pro cliente, enfim, os gastos existem e eles são maiores para quem trabalha na legalidade, os vereadores aprovando os ambulantes a trabalhar nos terminais vendendo sem pagar absolutamente nada, eles estão dizendo aos trabalhadores honestos e regularizados, que o trabalho informal é mais vantajoso do que o formal, onde há recolhimento de todos os impostos que o governo leva da gente, isso quer dizer que quem trabalha honestamente é bobo, o bom mesmo é vender e não pagar imposto, afinal nem a mercadoria deles tem recolhimento icms, etc.
 
maximiliano rodrigo antonio nahas em 19/02/2014 15:04:36
vi um monte de carros na cidade com o adesivo "deixa o homem trabalhar" e ai como fica?
 
Alex André de Souza em 19/02/2014 14:50:41
acho que deveria ser proibido vendedores ambulantes nos terminais pois nos já temos um camelódromo não precisamos de mais vendedores nos terminais e sim melhoramento no transporte publico que é péssimo como
 
francisco moreira em 19/02/2014 14:43:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions