A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

15/07/2013 16:40

Lentidão da Justiça é o principal problema para 82% dos advogados

Bruno Chaves

A morosidade é o principal entrave entre advogados e a Justiça de Mato Grosso do Sul, apontou pesquisa da OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional de MS) realizada com 11 mil advogados do Estado. De acordo com o levantamento, 82% dos operadores do direito se queixaram da lentidão.

Como exemplo da atual conjuntura, pode-se citar o caso da Vara de Sucessões de Campo Grande, onde 237 processos que aguardam movimentação há 100 dias. Os dados são do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Para o presidente da OAB-MS, Júlio Cesar Souza Rodrigues, “essa demora é inconstitucional”. Ele afirma que não se pode “admitir uma Justiça lenta diante de um Estado pujante como Mato Grosso do Sul”.

Júlio comparou a capital sul-mato-grossense com o município de Caxias do Sul (RS). Na cidade gaúcha, que possui 450 mil habitantes, existem duas varas de sucessões. Em Campo Grande, com 800 mil habitantes, há apenas uma vara.

“A situação da capital é apenas um retrato de todo o Estado. E mesmo com tanta morosidade, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) ainda pretende fechar sete comarcas, o que vai tumultuar ainda mais os processos”, diz Júlio Cesar.

Caminhada da Justiça – A questão da morosidade será uma das bandeiras levantadas pela Seccional Sul-Mato-Grossense da OAB durante a “Caminhada pela Justiça”, que ocorre no dia 25 de julho. A manifestação, que deve contar com a adesão de movimentos sociais, estudantis e outras entidades de classe, também irá reivindicar pelo retorno do horário integral de expediente no Judiciário, que hoje tem atendimento reduzido, das 12h às 19h.

No mês passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu liminar para manutenção de expediente em horário integral no Judiciário na maioria dos estados brasileiros que tiveram horário alterado em 2013.

Mato Grosso do Sul não foi contemplado e a OAB-MS aguarda decisão da Ação de Inconstitucionalidade (ADI) 4450, ajuizada no STF pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil.

Na ação, a entidade pede a concessão de liminar para suspender uma resolução 568/10 do (TJMS) que alterou o horário expediente dos funcionários. A OAB-MS contestou a resolução por entender que a alteração em jornada de trabalho de servidores públicos estaduais é de competência privativa de governador de Estado.

A concentração para a “Caminhada pela Justiça” ocorrerá às 16h na sede da OAB-MS em Campo Grande, localizada na Avenida Mato Grosso, 4.700. O horário de partida será às 17h.

Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...
Autorização para psicólogos aplicarem terapia de reorientação sexual é mantida
O juiz Waldemar Cláudio de Carvalho, da 14ª Vara Federal de Brasília, decidiu hoje (15) tornar definitiva a decisão liminar (provisória) que havia pr...
Clientes de banco podem renegociar dívidas no "Caminhão do Quita Fácil"
A partir de segunda-feira (18), clientes das agências da Caixa de Campo Grande terão a possibilidade de renegociar suas dívidas atrasadas há mais de ...


Pois é, sou funcionária do Fórum Campo Grande, e a morosidade não é só nossa, em parte a culpa tb é dos advogados, vou dar um exemplo, em processos que não são de justiça gratuita, e tem que se expedir mandados, necessitamos de diligências e isto quase nunca acontece. Aí temos que publicar, para estes trazerem, estipulamos um prazo para isso, e quase nunca é cumprido. Quanto a questão de horários, cara OAB, tanta coisa p se preocupar, investigar...........me digam qual a diferença de se trabalhar oito horas intercaladas, ou sete direto, é um caso a se pensar.
 
MARIVANE PINHEIRO CAVALCANTI em 15/07/2013 22:22:16
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions