A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

24/08/2010 16:55

Lula diz que trouxe mais verba a MS do que 6 governos

Redação

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta tarde, em Campo Grande, que seus dois governos liberaram mais recursos para Mato Grosso do Sul do que todos os anteriores desde João Figueiredo, ainda na época do Regime Militar. Nesse período, o País teve 5 presidentes, em seis governos.

A afirmação do presidente foi durante inauguração de obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), no Complexo Cabaça. Depois da fala, Lula desceu do palanque e foi recebido com euforia pelas pessoas que estavam na solenidade. Muitas pediram para tirar fotos, outras gritavam elogios. Por causa da recepção calora, ele levou cerca de 5 minutos para deixar o local, mesmo cercado pela equipe de segurança.

Durante seu discurso, Lula exaltou o apartidarismo de seus governos. Ele desafiou prefeitos e governadores a provar que seu governo fez distinção partidária na distribuição de recursos. "Eu duvido que tenha um prefeito, se for honesto, diga que meu governo deixou de fazer alguma coisa porque não era do meu partido", disse Lula, durante a inauguração do Complexo Cabaça, obra realizada com recursos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

"Duvido que tenha um governador que diga que eu não fiz o que era certo pro seu estado, porque não era do meu partido", completou. O discurso marcado por elogios à atuação do prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho (PMDB), com quem disse ter uma relação de amizade, mas acima de tudo, "de respeito ao povo".

"Toda vez que ele vai em Brasília, sai com pacote de dinheiro e me deixa um pacote de projetos", afirmou Lula, sobre os investimentos que tem sido conquistados por Campo Grande.

Hoje, além da inauguração de obras do PAC no Complexo Cabaça e no Segredo, orçadas em R$ 66 milhões, foram lançados investimentos de R$ 58 milhões para melhoria do sistema viário da cidade e de R$ 30 milhões para o macroanel ligando a saída de Rochedo à saída de Cuiabá, ambos com recursos da União.

Lula ressaltou, no discurso, que seu governo libera recursos sem dificuldades desde que haja projeto para isso. "Se tiver projeto, tem dinheiro",afirmou, antes de falar do apartidarismo de sua administração.

Balanço- Lula aproveitou a oportunidade para falar dos avanços de sua administração na área de habitação e saneamento. "Se olhar para os últimos 50 anos, nós estamos fazendo um processo de reparação dos desgovernos anteriores".

Ele comentou como exemplo a retirada de famílias de áreas de risco, como ocorreu no Córrego Cabaça, dizendo que iniciativas desse tipo só são necessárias hoje porque não houve preocupação no passado.

"Os governos permitiram que as pessoas ocupassem espaços inadequados".

O presidente comentou ainda a diferença de qualidade nas casas que hoje são entregues às pessoas nos programas habitacionais, repetindo uma análise freqüente em seus discursos, de que "pobre gosta de coisa boa".

A fala de Lula durou 20 minutos, foi de improviso e em tom bem humorado. Depois da solenidade, ele vai para o hotel Jandaia, de onde sai para o comício do candidato a governador Zeca do PT e da candidata petista à presidência Dilma Roussef.

Agenda -O presidente chegou em Mato Grosso do Sul por volta das 9h30, em Dourados, onde fez a primeira visita de um presidente eleito pelo voto em 30 anos. Lá, inaugurou a duplicação de um trecho de 27 quilômetros da BR-163. Depois, inauguração obras da UFGD (Universidade da Grande Dourados) e também da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) em Ponta Porã.

Na sequência, Lula veio para Campo Grande. Desembarcou na Base Aérea e seguiu para o Hotel Jandaia, onde se reuniu com o ex-governador de Mato Grosso do Sul, Zeca do PT, candidato ao governo do Estado.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions