A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

07/11/2011 18:30

Mais da metade dos municípios de MS são afetados pelo crack, diz pesquisa

Fabiano Arruda

Estudo realizado pela CNM percorre 4,4 mil em todo País e sinaliza que consumo da droga tem substituído o do álcool

Relatório divulgado nesta segunda-feira pela CNM (Confederação Nacional de Municípios), na Câmara dos Deputados, em Brasília (DF), percorreu 68 municípios em Mato Grosso do Sul, sendo que 47 admitiram enfrentar problemas com o crack.

Entre os questionamentos propostos pelo relatório, no Estado, dos 68 municípios que responderam à pesquisa, 64 afirmaram que enfrentam problemas com a circulação de drogas, enquanto quatro responderam que não.

Deste número, dos 64 que responderam, seis apontaram o crack é o principal problema, 17 outras drogas e 41 responderam ambos (crack e outras drogas).

Dos 68 que responderam a pergunta "seu município enfrenta problemas relacionados ao consumo de drogas", 65 disseram que sim e outros três não.

Outro dado é que das 68 prefeituras do Estado que responderam se possuem Caps (Centro de Atenção Psicossocial), três afirmaram que sim, outros 20 admitiram que não e 45 não responderam.

O material também traz pesquisa nas execuções orçamentária dos Estados em programas relacionados às drogas e ou enfrentamento do crack. Aponta que, em Mato Grosso do Sul, foram investidos R$ 150 mil em 2010 e R$ 50 mil neste ano.

A pesquisa do CNM que avalia os impactos do crack no País percorreu 4,4 mil municípios. O estudo indica que o consumo da droga tem substituído o consumo de bebida alcoólica.

A substituição, conforme o relatório, nota-se principalmente em cidades de pequeno porte e áreas rurais, sobretudo, pelo baixo custo e acesso à droga.

“Um dos problemas que agrava a devastação que o crack e outras drogas vêm causando à população brasileira está relacionado à região de fronteira do país. O efetivo policial é pequeno, mal remunerado e pouco treinado para enfrentar a dinâmica do tráfico de drogas”, diz um trecho da pesquisa.

Relatório - O estudo divulgado nesta segunda foi elaborado com os gestores por telefone e, dos contatados, 84,4% afirmaram que enfrentam problemas com a circulação de drogas em seu território e relataram as situações mais graves. Na primeira pesquisa divulgada em 2010, 98% dos pesquisados confirmaram a presença do crack.

Ainda conforme a Confederação, a maioria dos que responderam as questões – 68% – indicou ocorrências com outras drogas além do crack; 90,7% consideram que o crack é o problema; e 93,9% registram existência de transtornos por causa da circulação do entorpecente.

De acordo com as respostas, 63,7% dos Municípios têm impacto na Saúde.

O segundo setor mais afetado é a Segurança, informa o estudo. Quase 60% dos Municípios listaram vulnerabilidades na segurança. Entre elas: aumento de furtos e roubos, falta de policiamento em áreas de vulnerabilidade e crescimento da violência intrafamiliar, doméstica e rural.

A Educação é mais uma área diretamente atingida com a presença do crack, pelo o que indica o levantamento da CNM. Quase 38% das prefeituras apontam problemas. Entre a queixa mais incidente está o tráfico de drogas nas escolas por meio dos alunos.

Entre as sugestões, conforme o relatório, estão “estruturar uma rede de atenção ao usuário, aplicar as ações voltadas à prevenção, capacitar profissionais para o tratamento de dependentes e incluir a sociedade civil nas políticas públicas são algumas das propostas”.

Evento debate enfrentamento e combate ao crack em Três Lagoas
Audiência pública, que será realizada a partir das 19 horas desta segunda na Câmara Municipal de Três Lagoas, debate o tema “Enfrentamento e Combate ...
Ministério Público faz contrato de R$ 3 milhões com empresa de informática
O MP/MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) firmou contrato de R$ 3,3 milhões com a empresa Click Ti Tecnologia Ltda. Com validade de seis me...


Faltou acrescentar que os usuários do crack hj é o maior grupo de risco da Aids.
 
Belkiz D. Freire em 07/11/2011 11:59:41
pergunte se a metade dos traficantes querem adotar e cuidar os viciados
ora não da lucro né!

agora pergunto como esses que querem a legalização da maconha pro ponhe para amenizar tais problemas provindos das drogas, uma vez que esses gastos públicos provem dos nossos impostos ,

não sabem né!


 
gildemar dantas em 07/11/2011 11:38:34
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions