A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

27/11/2017 18:31

Ministro afirma que país está preparado contra febre amarela no verão

Helena Martins, da Agência Brasil

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, disse que o Brasil está preparado para enfrentar os meses de calor, entre dezembro e abril, quando pode ocorrer alta no número de ocorrências de febre amarela. Hoje, no Distrito Federal, foi registrada a morte cerebral de um homem suspeito de ter contraído febre amarela. O caso está sendo analisado para confirmar ou não a suspeita.

“Se precisar [vacinar] 20 milhões de pessoas, nós temos a estrutura pronta. Não haverá, espero, essa necessidade, porque nós ampliamos muito a cobertura [de vacinação] no ano passado”, afirmou o ministro. Preventivamente, ele explicou que qualquer situação parecida com febre amarela deve ser notificada, para que seja dada atenção especial.

No caso do Distrito Federal, o secretário de Saúde Humberto Fonseca afirmou que é remota a possibilidade de surto de febre amarela no local, ainda que o caso venha a ser confirmado. Ele explicou que um caso preocupa, especialmente, se for registrado em uma cidade desprotegida. “Brasília é uma cidade que tem cobertura vacinal excelente. Nós temos mais de 90% da população vacinada”, detalhou.

O Brasil adota o esquema de apenas uma dose da vacina durante toda a vida, de acordo com recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS). Por isso, quem já tomou a vacina contra febre amarela não precisa procurar o posto de saúde para reforçar a proteção. “Quem não tem a vacina ou não se lembra se fez ou não [a vacinação], procure uma unidade básica de saúde; nós temos bons estoques da vacina de febre amarela para fazer essa prevenção”, indicou Fonseca.

A febre amarela é causada por vírus transmitido pela picada dos mosquitos infectados. Não há transmissão direta de uma pessoa infectada para outra pessoa.

Os sinais e sintomas mais comuns são: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos que duram, em média, três dias. Nas formas mais graves da doença, podem ocorrer icterícia, insuficiências hepática e renal, manifestações hemorrágicas e cansaço intenso.

 

Carro roubado no Rio de Janeiro é recuperado em estrada de acesso ao Paraguai
Um automóvel recentemente roubado no Rio de Janeiro foi recuperado por policiais militares em uma estrada vicinal de Japorã –a 487 km de Campo Grande...
Recesso de fim de ano começa nesta semana no Judiciário e Legislativo
Na reta final de 2017, para alguns servidores a "folguinha" das festas começa mais cedo. Em orgãos Estaduais e Federais de Mato Grosso do Sul, tem re...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions