A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

23/10/2013 09:57

Moka espera que Dilma sancione projeto que amplia atendimento contra o câncer

Vinicius Squinelo
Moka ao lado da senadora Ana Amélia, autora do projeto (foto: Senado)Moka ao lado da senadora Ana Amélia, autora do projeto (foto: Senado)

O plenário do Senado aprovou nesta terça-feira (22), em votação simbólica, o projeto que obriga os planos de saúde a custearem medicamentos quimioterápicos de uso oral nos tratamentos contra o câncer, incluindo os remédios para o controle de efeitos adversos. A matéria, que teve como relator o senador Waldemir Moka (PMDB-MS), segue agora para sanção presidencial.

O senador sul-mato-grossense, que é médico, espera que o projeto seja sancionado pela presidente Dilma Rousseff e cobra sua efetiva aplicação assim que se transformar em lei. “Evidentemente que a próxima etapa será fiscalizar sua aplicação pelos planos de saúde. O paciente e seus familiares devem estar cientes de que a medida vai virar lei dentro de alguns dias”, afirma.

A matéria faz parte de uma agenda prioritária instituída como parte das atividades do Outubro Rosa, movimento a que se integrou o Congresso Nacional na luta contra os tumores de mama. O projeto, porém, tem como objetivo beneficiar pacientes de ambos os sexos.

O substitutivo da Câmara ao Projeto de Lei do Senado (PLS) 352/2011 também inclui a cobertura de procedimentos radioterápicos para tratamento de câncer e hemoterapia, desde que estejam relacionados à continuidade da assistência prestada por meio de internação hospitalar.

De acordo com o projeto, de autoria da senadora Ana Amélia (PP-RS), atualmente cerca de 40% dos tratamentos contra o câncer empregam medicamentos de uso domiciliar, em substituição ao regime de internação hospitalar ou ambulatorial.

A senadora informou que, em 15 anos, 80% dos tratamentos oncológicos serão feitos na casa do paciente, com medicamentos de uso oral. Atualmente, lembrou, as empresas de saúde são obrigados a arcar apenas com cirurgias e com os custos ambulatoriais, dependendo da cobertura do plano.

Para Moka, o projeto atende a uma necessidade dos pacientes com câncer, cujo tratamento ganhou outra dimensão com a possibilidade de tomar a medicação em casa, longe do hospital. “Isso significa aumento da qualidade de vida dos pacientes, pois eles passam a ser tratados em casa, junto à família, sem precisar estar num hospital tomando medicação injetável”, argumenta.

O senador sul-mato-grossense, que é médico, espera que o projeto seja sancionado pela presidente Dilma Rousseff e cobra sua efetiva aplicação assim que se transformar em lei. “Evidentemente que a próxima etapa será fiscalizar sua aplicação pelos planos de saúde. O paciente e seus familiares devem estar cientes de que a medida vai virar lei dentro de alguns dias”, afirma.

A matéria faz parte de uma agenda prioritária instituída como parte das atividades do Outubro Rosa, movimento a que se integrou o Congresso Nacional na luta contra os tumores de mama. O projeto, porém, tem como objetivo beneficiar pacientes de ambos os sexos.

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions