A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

13/01/2009 22:32

MS liderou ranking de assassinatos indígenas em 2008

Redação

Levantamento feito pelo Cimi (Conselho Indigenista Missionário) constatou 40 casos de assassinatos de índios no Mato Grosso do Sul, em 2008. Do total de 53 homicídios registrados em nove Estados, o território sul-mato-grossense agrega o maior número de mortes envolvendo indígenas.

No Estado, o número de assassinatos registrados em 2008 (40) é quase 10% menor que o número de casos de 2007 (53).

O Cimi alerta para a grave situação do povo Guarani Kaiowá no Mato Grosso do Sul, pois, entre assassinatos e suicídios, foram 74 casos em 2008 e 75 casos em 2007, em uma população de cerca de 40 mil pessoas. Os números mostram que a falta de terra e o confinamento em pequenas aldeias são as principais razões, na avaliação do Cimi, para a constante ameaça à sobrevivência física e cultural desse povo.

Nesse ano, segundo informa o Conselho, alguns políticos e latifundiários do Estado fizeram forte pressão contra o início de estudos antropológicos para identificação de terras para os Guarani Kaiowá. Mas pelo fato de o governo federal ceder à parte das pressões, o andamento dos estudos se torna cada vez mais lento.

Os casos de agressões aos povos indígenas também devem ser levados em conta, uma vez que no ano passado, o preconceito e a disputa por terras foram as grandes causas para essas agressões. O Cimi informa que em algumas vezes, o Estado, por meio da polícia, é o agressor.

O ano de 2008 também ficou marcado pela intensa campanha racista contra os povos indígenas nos principais meios de comunicação do país, conforme observação do Cimi. Casos como os processos judiciais em torno das terras Raposa Serra do Sol (RR) e dos Pataxó Hã Hã Hãe (BA), a luta por melhoria na saúde indígena e a perspectiva de se conseguir a identificação de terras para os Guarani Kaiowá foram os assuntos usados para que o racismo tivesse voz no país, de acordo com o Conselho.

Ainda segundo o Cimi, a 'sociedade produtiva' de Mato Grosso do Sul é merecedora dessa distinção. Entre alguns títulos de matérias publicadas em jornais impressos do Estado, que denotam certo teor de racismo, o Cimi destaca: "André lidera ofensiva contra demarcação em áreas indígenas", "Demarcações podem ter proporções catastróficas", "Produtores declaram guerra aos índios", "Ex-guerrilheiros manipulam indígenas", "Governador vai ao Supremo para impedir estudo de demarcações", "Técnicos que farão estudos em terras indígenas denunciam ameaças", "O Imbróglio indígena", "Governador, prefeito e deputados tentam evitar estudos antropológicos", entre outros.

Indenizações por morte no trânsito crescem 24% em relação a 2016
O número de indenizações pagas pelo Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Seguro Dpvat) entre janeiro e novemb...
ANS regulamenta novas regras de compartilhamento para planos de saúde
A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou duas resoluções normativas na tentativa de dar mais segurança e estabilidade ao mercado de pla...
UFMS recebe inscrições para vários cursos no Vestibular 2018
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions