A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

10/07/2014 17:55

Na gestão Bernal, salário de terceirizado variava em até 282%

Leonardo Rocha
Durante a gestão de Bernal profissionais foram contratados para o mesmo cargo, com salários diferentes (Foto: Arquivo)Durante a gestão de Bernal profissionais foram contratados para o mesmo cargo, com salários diferentes (Foto: Arquivo)

Durante a gestão do ex-prefeito Alcides Bernal (PP), no período de janeiro de 2013 a março de 2014, foram contratados em convênio entre prefeitura de Campo Grande e instituições terceirizadas, funcionários que possuem variação salarial de até 282%, apesar de exercerem a mesma função nos Cras (Centro de Referência de Assistência Social) Ceinfs (Centro de Educação Infantil), conselhos , projetos e escolas municipais.

O vereado Chiquinho Teles (PSD) recebeu reclamações de funcionários que eram contratados por estas instituições, realizavam o mesmo trabalho, mas tinham salários inferiores. “Após estas queixas resolvi fazer um requerimento pedindo a lista dos funcionários, com data de contratação e salário, para fazermos esta comparação”, destacou ele.

A SAS (Secretaria Municipal de Políticas e Ações Sociais e Cidadania) respondeu ao requerimento, enviando a listagem de janeiro de 2013 até março de 2014, assim como a referente a março de 2014 até julho do mesmo ano, das contratações pelos convênios com a Omep (Organização Mundial da Educação Pré-Escolar) e Seleta (Sociedade Caritativa e Humanitária).

Nesta listagem aparece variações (salários) em funções como: auxiliar administrativo e administrativo, nas duas instituições que prestam serviço a prefeitura. No caso da Seleta, no cargo administrativo, um funcionário recebe R$ 850,00 nos CRAS dos bairros Guanandi e Coophavilla II, enquanto que no Instituto Mirim, com o mesmo cargo, um funcionário fatura R$ 3.250,00, uma variação de 282%. Além disso existem salários intermediários de R$ 1.800,00 no Núcleo de serviços do SAS e R$ 2.800,00 no Instituto Mirim.

Já para o cargo de auxiliar administrativo a situação é idêntica, na escola Municipal Oito de Dezembro este profissional recebe R$ 757,00, enquanto que no CEI Flamingos, o sálario é de R$ 2.164,00. Tendo também variações como no Conselho Tutela do Centro, onde o auxiliar (administrativo) tem a remuneração de R$ 1,700,00 e no CRAS do Jardim Moema, o valor de R$ 2 mil.

Para os funcionários da Omep (Organização Mundial da Educação Pré-Escolar), a situação é semelhante, com salários diferentes para o mesmo cargo. Na função de administrativo, tem funcionário que recebe R$ 2.500,00 na Diretoria de Planejamento e Gestão da SAS, no entanto no CRAS Guanandi, na mesma função, o salário é de R$ 850,00.

Para a função de auxiliar administrativo, o salário de R$ 757,40 é pago no CRAS Tiradentes, mas a função é bem recompensada na Divisão de Benefícios da SAS, com a remuneração de R$ 1.400,00.

O representante da Omep, Rodrigo Messa Puerta, ressaltou que iria consultar o departamento pessoal da entidade e solicitar a verificação de salários. “Vamos levantar estes dados, para apontarmos os motivos para esta diferença”, destacou ele.

Em relação a Seleta, a assessoria da instituição ficou de acionar o presidente, Gilbraz Marques da Silva, para dar uma declaração sobre esta situação. Até o momento da publicação, não houve resposta.

Após receber a resposta da SAS, o vereador Chiquinho Teles (PSD) afirmou que vai estudar os dados apresentados, para decidir que medidas serão tomadas sobre esta questão.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions