A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

15/10/2012 23:17

Operação Ágata fiscaliza 2 mil veículos por dia na fronteira

Viviane Oliveira
Trinta e três militares do Exército fiscalizam o Posto Esdras, fronteira com a Bolívia. (Fotos: Rodrigo Pazinato)Trinta e três militares do Exército fiscalizam o Posto Esdras, fronteira com a Bolívia. (Fotos: Rodrigo Pazinato)

Durante a operação Ágata 6, ação conjunta das Forças Armadas Brasileira, dois mil veículos são fiscalizados por dia pelo Exército Brasileiro na fronteira de Mato Grosso do Sul com a Bolívia.

A ação, que começou na útima terça-feira (9), tem o apoio de órgãos e agências federais, estaduais e municipais para coibir crimes transfronteiriços e ambientais, em uma área de 4200 quilômetros de fronteiras nos estados de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Rondônia e Acre. No total foram disponibilizados 7,5 mil homens que integram a Marinha, Exército e Aeronáutica.

Desses, 1400 militares do Exército estão espalhados em postos fixos e moveis nos entrocamentos para combater o narcotráfico. Um efetivo com 33 homens do Exército foi montado no Posto Esdras, em Corumbá, para fiscalizar os carros que entram no Estado através da fronteira.

Por causa da facilidade de acesso por meio de passagens clandestinas em atalhos feitos no meio da mata, a fronteira com a Bolívia, está entre uma das cidades por onde entra grande quantidade de cocaína e mercadoria de procedência ilícita.

No total são 7, 5 mil homens envolvidos na operação.No total são 7, 5 mil homens envolvidos na operação.
Ribeirinhos também são atendidos durante a Ágata 6. Ribeirinhos também são atendidos durante a Ágata 6.

Para o tenente Breno Robazzi Braga, a ação inibe o crime nessas regiões e o baixo número de apreenões é o resultado da operação que vem sendo feita constantemente. “Por enquanto ainda não apreendemos nenhum produto ilícito, porém a pessoa passa aqui e vê a força que nós temos trabalhando em conjunto”, disse.

Uma das pessoas que aprova a operação é a professora de inglês e espanhol Melanie Delgadilho, 27 anos. Ela mora na Bolívia e todos os dias atravessa a fronteira para dar aula em uma escola particular em Corumbá. “Com certeza inibi o tráfico de drogas e de arma”, afirma, acrescentando que se sente mais segura durante a fiscalização intensificada.

Excesso de compras, bagagem e bebidas é o que é mais apreendido pelos militares durante a operação. “Além de droga e armas, a nossa prioridade é saber o que está entrando no Brasil”, destaca o tenente Robazzi.

Operação Ágata 6 -  Além de atuarem na linha de frente da operação, os limitares também trabalham com atividades cívico-sociais em apoio a comunidades carentes.

Como, por exemplo, a Marinha, que presta atendimento médico e ondológico para as comunidades ribeirinhas – que vivem as margens do Rio Paraguai. 

Na operação anterior, a Ágata 5, foram feitas 268 inspeções em embarcações e vistorias em 41,3 mil veículos leves. Cerca de 880 quilos de maconha e cocaína foram apreendidos, além de 11,7 mil quilos de explosivos. De acordo com o Ministério da Defesa, no ano que vem, deverão ser feitas três ações.

 

 



è isso pra ingles ve memo..depois que acaba a operaçõ ai os bandidos voltam e fazem a festa...o que tem que fazer para realmente e ter um combate eficaz contra o trafico etc é fortalecer as policias estaduais, estas sim estão dia e noite trabalhando no combate ao crime, mas em contra mão não tem gente nem estrutura..
 
Luciano Silva Filho em 16/10/2012 08:16:21
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions