A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

02/02/2011 17:47

Operação em Dourados prende dono de farmácia e interdita outras 6

Marta Ferreira

Ação é contra venda de remédios falsificados e contrabandeados

 Operação em Dourados prende dono de farmácia e interdita outras 6

Operação conjunta da Polícia Federal, Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Ministério Público já fechou pelo menos 6 farmácias em Dourados. O proprietário de uma farmácia no Jardim Santo André, Edelson Moraes foi preso e levado para a Polícia Federal.

A operação já foi feita no ano passado em Campo Grande, quando 7 farmácias foram interditadas em Campo Grande, e agora chegou a Dourados.

De acordo com o presidente o presidente do Conselho Regional de Farmácia no Mato Grosso do Sul, Ronaldo Abrão, o objetivo da ação é coibir a venda de remédios falsificados, contrabandeados, com data de validade vencida ou que tenham venda proibida no Brasil.

Segundo ele, há uma percepção de que as quadrilhas do tráfico de drogas tenham percebido nas farmácias uma nova fonte de renda. Normalmente, são empresas que tem farmacêutico responsável e que, por isso, se escondem atrás de uma fachada oficial para vender produtos irregulares.

Na região central de Dourados a Center Farma foi lacrada pelos agentes. Na rua Coronel Ponciano a Farmácia Econômica também teve suas atividades suspensas. Os nomes das outras farmácias fechadas ainda não foram informados.

Dourados tem 278 estabelecimentos farmacêuticos, mas de acordo com Abrão, ação já tem os pontos-alvo, graças ao trabalho de inteligência da Anvisa.

O trabalho deve durar até sexta-feira, quando a equipe faz uma palestra sobre o assunto na cidade.

(Com informações do Dourados News)

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...


Falar de distribuidoras, generalizando, na melhor das hipóteses é falta total de conhecimento do assunto, desonestidade e falta de ética. As entidades mais fiscalizadas em todo o Estado são as distribuidoras. Distribuidora do Estado não se atreve a "importar" medicamentos de forma irregular, pois gozam, todas, de Regime Especial concedido pelo Governo do Estado justamente para que isso não ocorra.
Distribuidoras de outros Estados sim, principalmente S.Paulo, Paraná e Goiás, entram com produtos em carros particulares, sem Notas Fiscais e sem cobrar os impostos que as distribuidoras locais são obrigadas a cobrar, realizando uma concorrência desonesta e nefasta ao Estado.
A Fiscalização fazendária deveria ficar mais atenta com veículos particulares, bagageiros de ônibus, pequenos caminhões plotados como entrega de café, frangos e outras mercadorias que camuflam remédios.

Caminhões de soja vazios, com truque levantado mas que camuflam mercadoria nas cabines e carrocerias, enfim, uma infinidade de artimanhas que contribuem cada dia mais para o enfraquecimento dos distribuidores do Estado.
Para conhecimento daqueles que emitem opinião sem conhecimento de causa, os Distribuidores locais são monitorados constantemente pelo CRF, pois é obrigatória a presença de um farmacêutico no controle da mercadoria. O armazenamento é climatizado e controlado por uma planilha de controle de temperatura e umidade. Nenhum embalagem de medicamento tem contato direto com o piso ou parede da Distribuidora. Toda a mercadoria que entra, por Nota Eletrônica da origem, é rastreada, assim como a saída também, havendo o controle de lote e data de vencimento.
É exigido um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS individual e específico de cada distribuidor que fica na ANVISA e na Vigilância local.
Portanto, falar dos distribuidores do Estado, sem conhecimento de causa é no mínimo uma desonestidade.
 
claudionor caldeira em 04/02/2011 08:48:16
Tem que botar esse pessoal das farmácias na linha mesmo. Agora vergonha mesmo são as distribuidoras de medicamentos do estado, no minimo 80% dos remédios entram de forma irregular no estado, transportados em veículos impróprios, com o fim de sonegar impostos. Ah, e no interior do estado, a situação das farmácias é bem pior que em Dourados e Campo Grande.
 
Adriano Roberto dos Santos em 03/02/2011 09:26:49
parabens ao conselho de farmacia de mato grosso do sul e assim que tem que ser
se no Brasil houvesse mais açoes assim seria melhor de trabalhar .
 
janio cesar arsamendia em 02/02/2011 11:22:03
PRA QUE SERVE O CRF? SO PRA ARRECADAR? SÓ PRA VER SE TEM FARMACEUTICO NA FARMACIA? TEM QUE IR LA FISCALIZAR, SABER DESSE FARMACEUTICO O QUE ELE TA FAZENDO LA. COM TAMANHA OMISSAO, TEM QUE SER PUNIDO TB. A ANVISA, MP, PF, SÓ VAO LA RESOLVER. SE HOUVESSE GENTE CAPACITADA, PROFISSIONAL, ESSES QUE VAO RESOLVER, NEM PRECISAVAM IR.
 
LUCIANO MARQUES em 02/02/2011 10:57:13
tem que fazer o mesmo com as distribuidoras também.
 
silvino dantas em 02/02/2011 05:53:18
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions