A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 18 de Janeiro de 2018

12/04/2011 11:42

Presidente do TJ diz que paralisação é direito do servidor, mas aumento não muda

Marta Ferreira e Fabiano Arruda
Presidente do TJ diz que não há como dar aumento maior aos servidores. (Foto: João Garrigó)Presidente do TJ diz que não há como dar aumento maior aos servidores. (Foto: João Garrigó)

O presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, Luiz Carlos Santini, comentou esta manhã a paralisação dos servidores do Judiciário anunciada para amanhã dizendo que é um direito da categoria, assegurado pelo “estado democrático” e que, desde que não haja danos ao patrimônio público, “não tem problema”. Sobre o motivo da manifestação, o descontentamento dos servidores com o reajuste concedido, de 6%, Santini foi categórico: disse que não tem como dar um aumento maior.

Como tem feito sempre que fala do assunto, Santini alegou que o Tribunal corre risco de ultrapassar o limite de gastos com pessoal estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

Quanto ao argumento dos servidores de que os magistrados tiveram um aumento muito maior do que o concedido à categoria, Santini disse que, os juízes e desembargadores, não havia reajuste desde 2007. Enquanto isso, afirmou, os servidores tiveram acréscimo nos salários em todos os anos de lá para cá.

A paralisação-Segundo o presidente do Sindijus, Dionízio Gomes Avalhaes, informou ontem, os cerca de 3,2 mil servidores do Judiciário de Mato Grosso do Sul irão paralisar as atividades em todo o Estado.

O principal motivo é a questão salarial, mas há outros pontos na pauta de reivindicação. O sindicalista afirmou que a categoria vai ficar em "estado de greve", ou seja, uma paralisação por tempo indeterminado pode ocorrer a qualquer momento.

Avalhaes reclama que recentemente houve reajuste salarial no congresso de

61,8% e que logo será aprovado o Projeto de Lei que aumenta em 14,1% o salário dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal).

O segundo ponto elencado pelo sindicalista é quanto ao novo horário da Justiça Estadual, que deverá ser pelo menos das 9h às 18h, segundo decisão do CNJ (Conselho Nacional de Justiça).

A proposta do Sindicato é fazer dois turnos de 6horas para os servidores, com abertura à população durante 12h.

Sobre isso, o presidente do TJ afirmou que a corte está aguardando a oficialização da decisão do CNJ, o que ainda não aconteceu, e que estuda um horário que tenha mais funcionários à tarde, quando o movimento é maior.

MEC autoriza uso de nome social na educação básica para travestis e transexuais
Resolução do Ministério da Educação (MEC) homologada hoje (17) autoriza o uso do nome social de travestis e transexuais nos registros escolares da ed...
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 15 milhões no sábado
A Mega-Sena acumulou e pode pagar R$ 15 milhões no próximo sorteio, que será realizado no sábado (20). As seis dezenas sorteadas no concurso 2.005 de...


ESCLARECIMENTO - Realmente os magistrados não tiveram reajuste desde 2007 e já tiveram neste ano com o aumento dos ministros do STF, porém os funcionários não tem REAJUSTE desde 1998, ocorre que os magistrados assim como os funcionários tiveram apenas as perdas salariais repostas, os magistrados tiveram AUMENTO em 2007 e tiveram novamente neste ano, já os funcionários não tem aumento real desde 1998. Portanto, os funcionários tiveram apenas reposição da inflação do período. Já os magistrados tiveram reajustes como dito pelo próprio presidente do TJMS. Alguma dúvida?
 
João de Deus em 13/04/2011 12:50:55
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions