A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 17 de Agosto de 2018

27/05/2010 14:48

Preso golpista que deu 'calote' de R$ 100 mil na Capital

Redação

Policiais da Deco (Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado) prenderam em flagrante um golpista que deu prejuízo de pelo menos R$ 100 mil no comércio da Capital. Neuton Vieira dos Santos, de 47 anos, foi localizado às 17h30 e ontem (26), e incorre também nos crimes de uso de documento falso e falsificação de documento público.

Ele era investigado pela delegacia por envolvimento em crimes de estelionato. De acordo com a Polícia, o golpista chegou a registrar uma empresa na Junta Comercial de MS com o objetivo de lesar os comerciantes.

Santos registrou como sócios dois homens cujos documentos haviam sido roubados e furtados. Ele adulterou os documentos e operou por alguns meses a empresa Manancial Comércio e Representações Ltda, pagando as contas até obter crédito junto ao comércio.

Quando conseguiu prazos e limites maiores, começou a adquirir grandes quantidades de mercadorias e repassava a receptadores a valores inferiores aos praticados no mercado. No final do processo, não efetuava o pagamento devido aos fornecedores, aplicando o "golpe da arara".

A empresa aberta por ele funcionava no mesmo endereço de um cassino que havia sido fechado pela Deco no dia 29 de março deste ano, na rua Raul Pires Barbosa, n.° 435, Chácara Cachoeira.

Até o contrato de locação do imóvel foi assinado com um nome falso. Com esse mesmo nome, Cezar de Oliveira Vargas, o golpista abriu uma conta corrente no Banco Real e distribuiu 62 cheques sem fundo na praça.

Com os documentos que o ajudante de pedreiro Ramão Davalo havia perdido, ele abriu uma conta corrente no Banco Bradesco e sacou o limite oferecido. Ele chegou a locar um veículo VW Gol prata usando o nome de Cezar de Oliveira Vargas.

Depois, ele vendeu o veículo no Paraguai e a vítima só conseguiu recuperá-lo depois de pagar R$ 10 mil aos receptadores. Os cálculos de prejuízos dado pelo golpista nos comerciantes supera R$ 100 mil apenas somando os cheques emitidos.

Alguns dos comparsas de Santos já foram identificados pela Polícia e deverão ser presos nos próximos dias. De acordo com a delegacia, ele é reincidente na prática de estelionato e responde pelo crime por meio de processo que atualmente tramita na Justiça Federal.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions