A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

23/04/2010 15:49

Relatório prévio aponta anemia e obesidade em indígenas

Redação

Anemia associada à obesidade, maior incidência de problemas respiratórios e epidemias constantes de diarréia. Dados prévios do 1.º Inquérito Nacional de Saúde e Nutrição dos Povos Indígenas, que fez uma radiografia de todos as etnias do país, apontam que o abandono do poder público, associado a uma proximidade cada vez mais constante ao meio urbano, resulta em problemas que transitam entre duas realidades.

Oito entre dez crianças indígenas de 6 a 11 meses de idade sofrem de anemia. Um quadro de prevalência 16 vezes acima do que a Organização Mundial da Saúde (OMS) considera normal. A anemia é constatada em 51% das crianças índias quando a idade avaliada estende para os menores de 5 anos. O problema também atinge mulheres. Do grupo analisado, 32,7% estavam anêmicas. Entre as gestantes, o índice foi de 35,2%.

Além disso, segundo a relatório prévio do Inquérito Nacional de Saúde e Nutrição dos Povos Indígenas, uma em cada cinco crianças não possui sequer certidão de nascimento, o que impossibilita o aprimoramento das já escassas políticas públicas.

Apesar da anemia constante, no Norte, 24,9% das mulheres estão acima do peso e 6,1% são obesas. No Sul/Sudeste, 32,2% têm sobrepeso e 22,4% são obesas. No País, os números revelam sobrepeso em 30,2% das índias e obesidade em 15,7%.

O relatório também aponta os reflexos da falta de saneamento. As famílias

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions