A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

29/12/2010 11:55

Judiciário termina 2010 no banco dos réus da opinião pública em MS

Marta Ferreira

Imagem do Poder Judicário sofreu com denúncias em 2010

Sala usada para julgamentos pelos desembargadores do TJ foi palco de audiência que recebeu denúncias contra Justiça em MS. Foto: João GarrigóSala usada para julgamentos pelos desembargadores do TJ foi palco de audiência que recebeu denúncias contra Justiça em MS. Foto: João Garrigó

A Justiça termina 2010 em Mato Grosso do Sul em um banco de réus imaginário: o da opinião pública. Este foi um ano em que a credibilidade do Judiciário foi colocada em xeque após uma série de denúncias e de polêmicas envolvendo os tribunais no Estado, seus funcionários ou a relação institucional com os outros poderes.

O maior arranhão na imagem do Judiciário derivou da Operação Uragano, a mesma que provocou a renúncia do ex prefeito de Dourados, Ari Artuzi (sem partido), o afastamento de nove vereadores e a derrota nas eleições de outubro de um dos deputados mais antigos na Assembleia Legislativa, Ari Rigo (PDT). Rigo estava a caminho do sétimo mandato quando,

em meio à campanha, uma gravação feita pela Polícia Federal durante as investigações em Dourados ganhou primeiro a internet e depois as páginas dos jornais e a televisão.

O teor da gravação - uma conversa entre Rigo e o jornalista Eleandro Passaia, ex-secretário do governo de Ari Artuzi - jogou suspeitas sobre repasses irregulares feitos pela Assembleia Legislativa para o

Ministério Público Estadual e o Judiciário.

O diálogo também dava a entender que o desembargador Claudionor Miguel Abss Duarte havia protegido, no ano passado, o ex-prefeito, evitando que fosse preso durante outra operação, a Owari, sobre um esquema de fraudes em licitações. Foi o estopim para um movimento pedindo investigação no Judiciário do Estado.

O CNJ (Conselho Nacional de Justiça), como reflexo, decidiu antecipar uma vistoria já prevista no Estado. Os responsáveis pela fiscalização saíram de Mato Grosso do Sul com 210 denúncias e com a promessa de divulgar um relatório sobre o assunto em fevereiro.

A conversa de Rigo gravada pela Operação Uragano também teve resultado prático na Assembléia Legislativa. O presidente da Casa, Jerson Domingos (PMDB) admitiu que estava sobrando dinheiro, cerca de R$ 50 milhões, e uma mudança na lei permitiu que esse dinheiro fosse destinado, oficialmente, para o MPE e o TJ. O Tribunal vai ter, em 2011, meio por cento a mais da receita corrente líquida estadual, chegando a um montante total de R$ 450 milhões.

Cartas no Fórum de Campo Grande avisa sobre mudança no horário da Justiça, que motivou briga no STF.(Foto:João Garrigó)Cartas no Fórum de Campo Grande avisa sobre mudança no horário da Justiça, que motivou briga no STF.(Foto:João Garrigó)

Horário da discórdia - Com mais dinheiro no caixa, o TJ poderá reavaliar uma medida que foi motivo de outra polêmica este ano e se transformou em briga judicial, a concentração do horário de funcionamento das comarcas no período da tarde, adotada a partir de setembro. O Tribunal alegou que a mudança era para economizar na folha de pagamento.

A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) contestou a medida e encabeçou um movimento contrário com a participação de outras entidades e organismos. Sem conseguir fazer o Tribunal mudar de ideia, o Conselho Federal da Ordem foi ao STF (Supremo Tribunal Federal) alegando que a alteração foi feita por resolução, quando exigia mudança na Constituição Estadual.

O contra-ataque veio da Anamagis (Associação Nacional dos Magistrados Estaduais). A entidade moveu ação no Supremo, na tentativa de derrubar trecho da Constituição estadual estabelecendo expediente das 8h às 18h no Judiciário, sem a possibilidade de mudança.

A associação também pediu para fazer parte do processo movido pela OAB para reverter a alteração de horário. Nos dois casos houve pedido de liminar, mas os ministros responsáveis decidiram adotar o rito sumário e as ações vão direto para a decisão final do plenário.

Corte na própria carne - No ano de 2010, vieram à tona casos novos e antigos em que o Judiciário de Mato Grosso do Sul teve de expulsar servidores de seus quadros por causa de condutas reprováveis.

Foi assim com o servidor Alex Armoa Teixeira, de 33 anos, demitido em junho após a descoberta, no ano passado, de um esquema de fraudes cujos desvios somaram mais de R$ 600 mil. Alex foi apontado como líder de organização criminosa junto com o pai, a mãe e o cunhado. Os quatro foram indiciados por formação de quadrilha e peculato.

A servidora Laura Célia da Cunha perdeu o emprego na Corregedoria de Justiça, em duas decisões. Uma delas foi por ter cancelado processo virtual da qual era ré, após ter tomado dinheiro emprestado em nome de um colega e não pagado. A outra decisão foi em processo administrativo na qual Laura

Célia foi considerada culpada por ter usado irregularmente dinheiro de processos em poder do Judiciário. Ela recorreu das decisões.

Magistrados - Juízes também estiveram na berlinda neste ano em Mato Grosso do Sul por serem acusados de práticas pouco condizentes com o que se espera do Poder Judiciário. A juíza Margarida Elizabeth Weiler, de Anaurilândia, foi aposentada compulsoriamente este ano, após uma série de denúncias e questionamentos sobre sua atuação.

Um dos casos envolveu a herança de Olimpio José Alves, alvo de fraudes por uma quadrilha liderada pelo ex-major da Polícia Militar Sérgio Roberto de Carvalho, preso em novembro. Foi da juíza aposentada forçadamente uma decisão permitindo à quadrilha do major embolsar R$ 4 milhões, com base em uma falsa dívida feita por Olimpio pela compra de uma usina no Mato Grosso.

Outros dois magistrados demitidos em anos anteriores continuam brigando para permanecer no Judiciário e decisões a respeito foram manchete em 2010. O juiz Marcos Antônio Sanches, condenado por corrupção, tentou conseguir aposentadoria e o TJ negou. Ele já foi demitido, em 2008, mas permanece no cargo até que a sentença que determinou sua exoneração transite em julgado. O caso corre no STF.

O ex-magistrado Munir Jabbar, demitido em 2001, ainda em estágio probatório, teve rejeitado o pedido para reverter a decisão pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça). Ele foi mandado embora do Judiciário estadual por omitir informações sobre uma condenação por peculato, no Rio Grande do Sul.

Ainda em relação aos juízes de Mato Grosso do Sul, o ano teve um outro assunto árido em pauta, o pagamento de auxílio-moradia até mesmo para quem atuava na cidade onde já tem imóvel. Em abril, o CNJ (Conselho Nacional de Justiça), decidiu determinar nova suspensão do pagamento do adicional, que havia sido vetado no ano passado, pelo órgão, mas foi retomado depois por decisão do Tribunal.

Gravações sob suspeita - O Poder Judiciário Federal e sua atuação em Mato Grosso do Sul também permaneceu sob os holofotes este ano por causa da polêmica em torno de escutas clandestinas nos Presídio Federal de Segurança Máxima, em Campo Grande .

A OAB denunciou ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça) e ao CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público Estadual), que o sigilo das conversas entre advogados e presos estava sendo quebrado por causa da gravações feitas com autorização do MPF (Ministério Público Federal) e da Justiça Federal.

O assunto tomou proporções nacionais, com envolvimento do Conselho Federal da OAB e de entidades nacionais dos magistrados federais. No CNJ, a investigação prossegue.

No CNMP, venceu a tese do MPF de que as gravações foram feitas de forma legal, com autorização da Justiça, envolvendo apenas presos cujos advogados eram suspeitos de funcionar como pombo-correio entre os integrantes de bandos criminosos. O processo foi arquivado.

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...


Parte do Poder Judiciário, infelizmente, segue a cultura antes desenvolvida sem nenhuma cerimônia pelos outros dois poderes. A diferença é que o que acontece com o Judiciário ainda choca; nos outros poderes, nada mais impressiona,e, pior, as escolhas eleitorais seguem sem a mínima lógica ética. No judiciário, é bom lembrar, não há corrupção e nem há como o criminoso dizer que "o crime compensa" sem a participação de advogados que intermediam e de partes que "compram" justiça. No MS, segundo as últimas notícias que envergonham o Estado, isso é comum. A sociedade, e aí o CNMP e o CNJ deveriam se organizar melhor, tem é que ver quem enriquece rápido, como se dinheiro caísse no céu. Carros, mansões, fazendas em várias regiões. No mais, ainda confio e muito ne imensa maioria do MPE (que é do bem) e no MPF, este, que teria tido como único "pecado" de 2010 ter sido a favor de interceptações dos "anjos" que habitam o presídio federal com "advogados" de porta do inferno. Haja bipolaridade! O CNMP já viu que estava embarcado numa canoa mais do que furada; o MPF tem sua autonomia preservada e a sociedade espera que siga processando criminosos, alguns já esperneando com as asneiras de sempre, pois sabem bem que "quem deve teme". Feliz 2011 para todos, inclusive os que, por uma razão ou outra, estão nesse mundo para semear o mal. Que se corrijam no ano novo, ainda que seja pela oportunidade de serem processados penalmente pelo MP.
 
Cauê Almeida em 31/12/2010 01:38:00
Não estou surpreso com a reprovação pública do Poder Judiciário, a imagem foi arranhada não só pelas denúncias mencionadas na reportagem, mas sim, pela morosidade no andamento de processos, demora na emissão de sentenças e aplicação das penas, o que faz parecer que o Judiciário não se preocupa com a sociedade e com a Segurança Pública. Sabemos que decisões são amparadas na Lei, contudo, interpretações de jovens magistrados sem experiência da vida deixam a população cada vez mais vulnerável ao crime e aos criminosos sabedores das indulgências do judiciário não estão nem aí para a sociedade e o Estado. Da maneira como as coisas são chega a existir uma mensagem por parte dos criminosos dizendo o "crime compensa".
 
Marco Silva em 30/12/2010 12:22:04
Já fui ingênuo o suficiente para acreditar na justiça; cheguei ao ponto até de acreditar que o Ministério Público fosse uma instituição imaculada, o último recurso para se processar autoridades inescrupulosas, fosse lá quem fosse!
Que decepção!

 
Francisco Florisval Freire em 30/12/2010 06:34:52
Bela matéria!! Espero que, em nosso país, a cadeia não seja só o lugar onde se colocam os pobres, pois, como se sabe, para juiz o castigo por ser corrupto é ser aposentado com 30 mil reais por mês. Isso sem falar na classe política brasileira que se esbalda no mar da impunidade. Basta lembrar o último aumento de salário que foi votado na última sessão legislativa do ano, coisa de gente inescrupulosa e que tem todo o poder na mão, e não sofre nenhuma represária ou censura por parte das entidades civis e da própria população!
 
Edelberto Pauli Júnior em 30/12/2010 01:00:46
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions