A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

23/01/2008 15:30

TJ é notificado de decisão sobre conta depósito judicial

Redação

Chegou nesta quarta-feira, 23 de janeiro, ao TJ (Tribunal de Justiça) de Mato Grosso do Sul a notificação sobre a decisão do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), considerando irregular a conta mantida no banco Bradesco para receber os depósitos judiciais. O caso foi julgado pelo CNJ no dia 18 de dezembro de 2007, pouco antes de começar o recesso no judiciário.

OCampo Grande Newsapurou que a notificação chegou ao TJ hoje, mas o presidente, João Carlos Brandes Garcia, ainda não analisou a decisão. O Tribunal poderá recorrer da decisão do Conselho junto ao STF, assim como fez quando o órgão mandou suspender a posse do desembargador Sérgio Martins, que o Supremo confirmou.

Na decisão do CNJ, os conselheiros acataram pedido do promotor Marcos Sottoriva, do MPE (Ministério Público Estadual), para que o TJ fosse obrigado a repassar a conta úndica de depósito judiciais a uma instituição financeira pública, como prevê o artigo 666 do Código de Processo Civil. A reportagem apurou o movimento na conta chegaria aos R$ 100 milhões.

O principal argumento para que os depósitos sejam em uma instituição pública é o fato de, em caso de problemas do banco, o governo dar garantia em relação aos valores depositados, referentes a disputadas ainda não encerradas.

A manifestação do CNJ veio mais de dois anos depois que o promotor entrou com o pedido no CNJ, em 2005, quando o TJ fazia os depósitos no banco Sudameris. Depois, um processo licitatório repassou o direito ao Bradesco. Em seguida, a folha de pagamento do judiciário estadual também foi passou para a administração do banco privado.

Na defesa apresentada ao CNJ, a presidência do TJ alega que já houve um questionamento à lei que criou a conta única de depósitos feito pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). A ação acabou arquivada, com parecer favorável ao Tribunal da PGR (Procuradoria Geral da República).

O TJ informou, quando fez a licitação para escolher o banco que administra a conta, que outras instituições foram convidadas, entre eles duas públicas: Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil, e que a melhor proposta foi da instituição privada.

A conta única de depósitos judiciais permite que a presidência do TJ movimente os valores, prevendo inclusive que utilize eventuais lucros da aplicação destes. A legislação é de 1999.

Câmara de Vereadores entrega meio milhão de reais em emendas parlamentares
A Câmara Municipal de Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, realiza nesta segunda-feira (dia 11) três sessões, duas delas especiais. Às 14h ...
Município de Itaporã comemora 64 anos de emancipação neste domingo
Conhecido como Cidade do Peixe, Itaporã, distante 227 km de Campo Grande, comemora 64 anos de emancipação neste domingo (10). A prefeitura municipal ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions