A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

04/03/2009 10:21

Vestígio de sangue e testemunhas incriminam procurador

Redação

Vestígios de sangue no carro do procurador Carlos Alberto Zeolla, de 44 anos, um Fiesta dourado, e reconhecimento por seis testemunhas oculares, incluindo a anotação da placa do veículo por uma delas, foram o que levou a Polícia Civil a prendê-lo em flagrante pela morte de seu sobrinho, Cláudio Alexander Joaquim Zeolla, de 23 anos.

A informação foi dada por delegados na manhã desta quarta-feira. O procurador foi autuado em flagrante às 20 horas de ontem, mas os trabalhos de investigação, que envolveram 5 delegados, se estenderam até a madrugada de hoje.

Foram ouvidas 14 testemunhas desde que Cláudio foi baleado, na manhã de ontem. O procurador nega ser o autor do disparo e está preso, provisoriamente, na Acadepol (Academia de Polícia Civil), sob escolta de policiais do Garras (Grupo Armado de Repressão a Roubos, Assaltos e Seqüestros). Zeolla prestou depoimento até o final da noite de ontem, quando disse que já não tinha mais condições psicológicas de falar.

No carro do procurador foram encontrados vestígios de sangue, na porta traseira e lateral. Isso porque o tiro foi disparado muito próximo da vítima.

Dentre as testemunhas que confirmaram que foi ele quem atirou em Cláudio, está o adolescente que trabalha para o procurador, como serviços gerais. Dentre as várias funções que desempenhava para o procurador, ele também era seu motorista particular, apesar de ter 17 anos de idade. O adolescente disse que há cinco meses trabalhava para Zeolla e morava na casa dele. Além de dirigir, ele fazia os serviços de banco e, contou, dava até comida aos passarinhos.

O depoimento do adolescente foi dado na presença de sua mãe e do defensor público. Ele contou que se levantou ontem por volta de 6 horas foi à padaria comprar pão e às 6h30 tomou o café, na companhia do procurador. Depois entraram no carro e foram caminhar no Horto Florestal, onde ficaram por cerca de 30 minutos. De lá o procurador pediu para que o jovem seguisse para a rua Bahia, na esquina com a Pernambuco. O procurador mandou que ele ficasse com o carro estacionado.

Meia hora depois, conta o adolescente, Cláudio atravessou a rua, com sua bicicleta. Ele seguia para a academia, próximo da qual estava estacionado o carro do procurador. Quando o jovem subiu na calçada com a bicicleta, contou o adolescente, Zeolla mandou que o adolescente seguisse o jovem com o carro. Quando emparelhou, o procurador, que estava no banco traseiro, abriu a porta desceu e atirou, acertando a nuca de Cláudio. Na seqüência, disse o garoto, Zeolla voltou para o carro e falou: "dirige. Não do jeito que te ensinei, mas do jeito que você sabe", indicando que ele deveria acelerar.

Na seqüência fizeram o seguinte trajeto: entraram na rua Rio Grande do Sul, desceram até a Avenida Afonso Pena e entraram na Ceará. Depois seguiram em direção à saída para Três Lagoas. Quando chegaram próximo ao trilho do trem o garoto conta que viu o procurador abrindo o vidro. Em seguida ele mandou que o jovem voltasse. Há suspeitas de que nesse momento ele tenha jogado a arma

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions