A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 22 de Maio de 2017


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


09/09/2011 10:00

Amplavisão

Manoel Afonso

FRASES geniais que selecionei na passeata de Brasília: “Menos ratos, mais ratoeiras. Não precisa CPMF. Basta não roubar. Kadafi, não importa seu passado; no Brasil você pode ser deputado. País rico é país sem corrupção.”

INÉDITO: Sem bandeiras de partidos - por razões evidentes - a passeata foi fruto de convocação apenas pela internet e não de uma ‘conspiração midiática’ como foi estranhamente apregoado no congresso do PT.

A PASSEATA pediu uma faxina geral: Ricardo Teixeira, voto secreto, ficha limpa, CPMF e impunidade. ‘Estranha’ foi a ausência do pessoal do MST/ CUT e sindicatos, especialistas em protestos no passado. Lembra companheiro?

PORTANTO espera-se que tenha sido reaberta a porteira de protestos de rua, fechada desde o ‘Fora Collor’. Se os evangélicos, gays e consumidores da maconha foram às ruas, por que o restante da cidadania brasileira se recolheu?

VIOLÊNCIA Assusta a crescente onda de casos de abusos sexuais contra crianças. Os especialistas e autoridades questionam as razões. Registrar e punir os casos não é o bastante: é preciso ir fundo. Concorda?

SÃO IGUAIS Se Fidel, Chavez e ‘outros’ detestam imprensa livre, Costa e Silva também não gostava. Num jantar na casa da dona do JB ele disse: “Nós não gostamos da crítica construtiva. Gostamos de elogios mesmo.”

O FANTASMA da Reforma Fiscal tirando o sono do deputado Eduardo Rocha, que adverte: se as regras mudarem vamos voltar ao estágio do boi e soja. Paulo Duarte lembra: “as empresas não trocaram SP por MS de graça”.

ANDRÉ tem consciência dos estragos. Os deputados, independentemente de partido, sabem que está em jogo o futuro do Estado. O problema é velho: somos uma formiga lutando contra gigantes poderosos no contexto nacional.

COINCIDÊNCIA A ‘Lei Fragelli’, dispondo sobre crime ambientais foi promulgada em 12/02/88 e no dia seguinte fez a primeira ‘vítima’ justamente em Aquidauana. Um japonês que pescava com rede foi flagrado e preso.

A PROPÓSITO A legislação é tida como rigorosa demais para os padrões culturais do brasileiro. Uma ironia com pitada de verdade: é mais fácil a absolvição no crime de homicídio do que para o caçador preso em flagrante.

HIPOCRISIA Fazendeiro agüenta onça comendo bezerro todo dia? O que fazer com a sucuri que ataca os porcos e animais? E quem paga os prejuízos das capivaras, queixadas, antas e porcos do mato nas lavouras ribeirinhas?

POR EXTENSÃO não há como ignorar a praga dos pombos nas grandes cidades. Eles transmitem doenças, causam estragos nos prédios e são protegidos por lei. Aliás, o fato precisa ser encarado como questão de saúde pública.

TAMBÉM vale questionar a lei sobre armas de fogo. Um absurdo: o fazendeiro sem uma espingarda para se defender! Ora! A realidade rural é bem diferente da urbana. E a burocracia para se legalizar uma arma é indescritível.

CONCLUSÃO: É preciso repensar as leis que regem o meio ambiente e o porte de armas de fogo. Até parece que os legisladores vivem no país da utopia, sem contrastes e problemas. Mas o nosso Brasil é outro, diferente. Se é!

CAI A MÁSCARA Grandes construtoras dando o balão nos trabalhadores. Para fugir dos encargos trabalhistas usam subempreiteiras. Daí que a CPI proposta por Picarelli deve mostrar o outro lado (sombrio) da construção civil.

A MUTRETA: para executar certos serviços nas obras, as empresas subempreitam para microempresas - que antes de completar os 30 dias - demitem os operários sem pagar os salários e os encargos trabalhistas. Entendeu?

A NOVELA do ‘casamento’ Zeca-Delcídio sem final feliz. O Correio do Estado é o ‘patrocinador’ com insistentes notícias e depoimentos. No saguão da Assembleia os irônicos lembram: ‘isso é coisa do Antonio João’.

RESPONDA: Você acredita que vamos dar conta de colocar o país em condições de sediar decentemente Copa e Olimpíadas? Vivemos na base do improviso, deixamos tudo para a última hora. Ora! Criatividade tem limites.

CONTINUA repercutindo bem a proibição da venda de salgadinhos e Cia nas cantinas escolares da capital. A cotação dos vereadores subiu muito em função disso. Foi um agradável ‘puxão de orelhas’ nos país de nossas crianças.

“PULA...PULA!” A candidatura do Antonio João a prefeito da capital lembra aquele suicida no alto do prédio - que após ameaçar pular recua - enquanto a torcida lá embaixo após gritar “pula pula’, passa a vaiá-lo frustrada. A conferir.

ZÉ DIRCEU Posa de democrata e herói mas não assinou a Constituição de 1988, foi contra a Lei de Responsabilidade Fiscal e denunciou o Plano Real como uma farsa eleitoral da direita. Quanta incoerência, quanta hipocrisia.

CALMA... Pesquisa eleitoral exige uma leitura cuidadosa para não se meter os pés pelas mãos. Recomenda-se levar em conta o que aconteceu nos pleitos passados aqui na capital. Está muito cedo para conclusões definitivas.

Dúvida cruel: quem irá nos ‘salvar’ agora?
‘VALE TUDO’ Nesta novela de 1988, o personagem sacana vivido por Reginaldo Farias foge com a mulher e, na cabine do jatinho, dá uma ‘banana’ debochad...
Os estragos da tornozeleira nas eleições de 2018
DEGRADAÇÃO Também aqui as notícias sobre as atividades dos políticos cada vez mais inseridas no contexto policial. As diferenças apenas no ‘modus ope...
PMDB – protagonista ou coadjuvante em 2018?
“SUTIÃ DE ITU” Só ele para abrigar essas tetas. São 304 sindicatos de empregados no MS, 15.007 no Brasil. Se o parâmetro para aferir o progresso do P...
Abril – só 14 dias de pouca ou nenhuma receita
1-REFLEXÃO Mês de Abril – 10 dias de fim de semana, 3 dias de feriados e 1 de greve. Total: 14 dias de pouca ou nenhuma receita. Mas, no fim do mês o...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions