ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 

Direto das Ruas

Com dono morto há 4 anos, condomínio procura familiares para herdar imóvel

Dívidas com condomínio somam cerca de R$ 8 mil

Por Gabrielle Tavares | 06/08/2022 11:10
Condomínio Residencial Professora Cleide Maria de Paulo, em Três Lagoas. (Foto: José Roberto de Jesus)
Condomínio Residencial Professora Cleide Maria de Paulo, em Três Lagoas. (Foto: José Roberto de Jesus)

Equipe que administra o condomínio Condomínio Residencial Professora Cleide Maria de Paulo, em Três Lagoas, a 338 km de Campo Grande, procura por familiares de Nilton  Corrêa Guimarães, morto há quatro anos após ser atropelado por uma moto na cidade.

O falecido possui um apartamento no local, mas depois que morreu, em 2018, ninguém apareceu para assumir o imóvel. As dívidas com o condomínio somam cerca de R$ 8 mil ao todo.

“Nossa preocupação é encontrar algum familiar, porque a pessoa tem direito de assumir o que é seu. Óbvio que nós queremos receber os valores, mas é um residencial que está valorizado aqui na cidade e vale muito mais que isso”, explicou o síndico-presidente do condomínio, José Roberto de Jesus Santana, 38 anos.

A busca pelos parentes começou no ano passado, quando a nova diretoria assumiu a administração do local e decidiu fazer um levantamento dos moradores que estavam com contas atrasadas.

Santana explica que estranhou o fato do apartamento estar vazio quando foi visitar o local e perguntou para uma vizinha, que disse que o dono não aparecia ali há anos.

“Ai decidi pesquisar no Google o nome dele e vi uma matéria falando que ele tinha falecido depois de ser atropelado em 2018. A gente tentou localizar familiares de todo jeito, tentamos todos os meios judiciais, mas não encontramos, então a solução foi recorrer a imprensa”, apontou o síndico-presidente.

O condomínio é popular e foi construído com verbas do Governo Federal, através do então programa Minha Casa Minha Vida, transformado atualmente em Casa Verde e Amarela. No cadastro feito pela prefeitura, Guimarães informou como antigo endereço um hotel, que já foi desativado na cidade.

A vizinha dele também informou que ele possuía uma irmã com apelido de “Bilica”, mas a equipe do condomínio não conseguiu localizá-la.

“Não é um condomínio de luxo, mas é uma residência. Independente de onde seja, é uma moradia”, ressaltou o síndico-presidente.

Para entrar em contato com a equipe do condomínio, José Roberto atende pelo número 67 99238-5190.

A morte - Guimarães foi vítima de um acidente na Avenida Antônio Trajano, no Bairro da Lapa, próximo ao Terminal Rodoviário, em Três Lagoas, em 2018.

Ele atravessava a rua quando foi atingido por uma moto que seguia sentido aeroporto. Com o impacto, o motociclista caiu e teve ferimentos leves. Já o idoso sofreu várias lesões e traumatismo craniano.

Ele foi socorrido pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e levado para o Hospital Auxiliadora, onde morreu.

Nos siga no Google Notícias