ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEGUNDA  13    CAMPO GRANDE 20º

Economia

Após 10 anos sem pesquisas, Censo Agropecuário será realizado em MS

Por Renata Volpe Haddad | 20/09/2017 10:23
Ao centro, o presidente do IBGE, Roberto Luis, entrega pesquisas a deputados, durante lançamento do censo agropecuário.  (Foto: Assembleia Legislativa)
Ao centro, o presidente do IBGE, Roberto Luis, entrega pesquisas a deputados, durante lançamento do censo agropecuário. (Foto: Assembleia Legislativa)

Censo Agropecuário do IBGE (Instituto de Geografia e Estatística) será realizado a partir de outubro em Mato Grosso do Sul e no restante do país, após dez anos sem pesquisas e levantamentos do setor. O lançamento aconteceu na manhã desta quarta-feira (20) na Assembleia Legislativa.

Os 79 municípios de Mato Grosso do Sul serão visitados e mapeados, por 550 pessoas contratadas e 346 recenseadores que vão percorrer 357 mil quilômetros quadrados. Agricultura familiar também entra na pesquisa que deve gerar informações detalhas do Estado. No total, serão investidos R$ 780 milhões para a realização do censo.

A pesquisa deve ser concluída em fevereiro de 2018. De acordo com o presidente do IBGE, Roberto Luis Olinto Ramos, o censo que começa a ser realizado este ano, será completamente digitalizado. "Cada funcionário terá um dispositivo de coleta onde todas as informações colocadas ali serão geoprocessadas, permitindo assim, análises geocientífica, mapas nunca antes verificados", explica.

O questionário do censo inclui perguntas ao produtor como o que é produzido, consumido, que semente é utilizada, quais as dificuldades de produção para cada região, funcionários empregados. "Estamos batendo na porta dos produtores, querendo saber como é o dia a dia, a realidade pouco vista. Com o censo, nós conseguimos ter um detalhe do Brasil raramente visto", define.

Ramos diz que ficar dez anos sem realizar o censo, é muito tempo. "A ideia é aperfeiçoar a pesquisa agora e ter permanentemente o censo a cada cinco anos. O orçamento não foi aprovado nos últimos tempos e há cinco anos estávamos tentando aprovar esse valor que é caro, e só conseguimos para este ano".

Para o chefe geral interino da Embrapa Gado de Corte, Ronney Robson Mamed, a pesquisa é fundamental para conhecer a realidade para definir estratégias na busca de soluções. "Dependemos muito desses dados e informações confiáveis para nortearem nosso trabalho. O último censo foi há dez anos e já tínhamos a necessidade de saber a realidade das propriedades rurais para embasar nossos trabalhos".

Segundo o presidente da Assembleia, Junior Mochi (PMDB), o IBGE é um órgão altamente confiável. "Por isso, ações como este Censo são necessárias para implementarmos políticas efetivas aos municípios, que alcancem o êxito, e é nisso que essa base agropecuária vai agregar e muito ao trabalho dos administradores e legisladores”.