ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  20    CAMPO GRANDE 17º

Economia

Após pico de vendas na pandemia, bicicleta deixa de ser opção e impacta mercado

Empresários do ramo relatam queda nas vendas de até 80% no ano passado se comparado com 2020

Por Izabela Cavalcanti | 15/02/2024 11:37
Bicicletas expostas para venda em loja de Campo Grande (Foto: Divulgação/Paraná Bikes)
Bicicletas expostas para venda em loja de Campo Grande (Foto: Divulgação/Paraná Bikes)

No início da pandemia da covid-19, em 2020, o mercado de bicicletas viveu um “boom” nas vendas. Mas, o cenário já não foi o mesmo vivenciado no ano passado, com alguns relatando queda de até 80% em Campo Grande.

Há 4 anos, com a paralisação de muitos serviços, incluindo academias e restrição a locais lotados, como ônibus, as bikes foram as aliadas no dia a dia, sendo um escape. Além de ser usada para se exercitar também é um meio prático de locomoção, no entanto, tem sido deixada de lado.

Sergio Paraná, proprietário da Paraná Bikes, é um exemplo de quem sentiu na pele a mudança. Ele lembra que chegou a um estoque de 120 bicicletas e que no ano da pandemia baixou para 10, o que demonstra bom movimento.

“Realmente, tem bastante queda em relação por causa da pandemia que teve alta surpreendente. Não tinha mais bares, academia, a pessoa vinha e comprava bicicleta. Após a pandemia, abriram os bares, academias, normalizaram-se as coisas e voltou o que era antes e veio a queda, praticamente sobrevivemos de manutenção”, explicou.

Se comparar ano passado com 2020, ele estima retração de 80% nas vendas. “A queda já começou no meio de 2022, e as pessoas tratavam o gasto com a bicicleta algo supérfluo, só comprava se sobrasse dinheiro. Então, ninguém estava comprando nada”, comentou.

A realidade também foi a mesma para a proprietária da Concept Bike, Tatiany Lopes. Ela relata queda de mais de 50% no ano passado.

“Teve queda significativa desde o ano retrasado. O ano da pandemia foi atípico, as pessoas não podiam sair e teve aquele ‘boom’. Muita gente comprou e depois voltou academia, voltou a vida normal”, lembrou.

Ainda de acordo com ela, o setor também foi prejudicado pela falta de bicicletas por parte das distribuidoras.

Sobre 2024, a empresária disse que em janeiro começou fraco, mas em fevereiro está sendo melhor, e o que tem ajudado é a oficina, que nunca parou.

Levantamento – Dados da Aliança Bike (Associação Brasileira do Setor de Bicicletas) mostram que no Brasil, o setor apresentou recuo de 15% no ano passado. Já no faturamento, a queda é de 7% no mesmo período.

Em 2020 foi o ápice das vendas, quando chegou a 6 milhões de unidades; e em 2021, 5,8 milhões. Já nos últimos dois anos, o cenário foi desafiador, com dificuldades no estoque e queda na demanda.

Venda de bicicletas nos últimos 6 anos, no Brasil (Arte: Lennon Almeida)
Venda de bicicletas nos últimos 6 anos, no Brasil (Arte: Lennon Almeida)

Para o presidente do Conselho Deliberativo da Aliança Bike, Rodrigo Coelho, a expectativa deste ano é que tenha retomada.

“Os últimos dois anos foram de muitas dificuldades e reflexões para o nosso setor. A queda em 2023 é uma realidade, mas foi menor do que aconteceu de 2021 para 2022. A análise que fazemos é de que a tendência é que 2024 seja um ano melhor do que foi o ano passado, que possa ser o início de uma reversão neste cenário”, explica.

Ainda conforme o levantamento, o recuo nas vendas ocorreu principalmente nas chamadas bicicletas “de entrada”, que varia de R$ 800 a R$ 2.000; e no primeiro segmento das intermediárias (entre R$ 2.000 e R$ 4.000).

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias