A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 23 de Junho de 2017

07/11/2016 09:08

Auditores se reúnem com delegados da Receita para tentar pôr fim a greve

Renata Volpe Haddad

Auditores Fiscais de Campo Grande, se reúnem nesta segunda-feira (7) às 10h, com os delegados da Receita Federal Edson Ishikawa e Romildo Idalgo, para entregar documento em ato contra as emendas do projeto de lei 5864/16 que alteram a carreira e prejudicam a autonomia de fiscalização.

De acordo com o Sindifisco Nacional (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil), as reuniões acontecem em todo país e o objetivo é pressionar o Congresso a não aprovar as emendas do projeto, apresentado pelo Deputado Wellington Roberto (PR-PB).

Em Campo Grande, os auditores se reúnem com os delegados para que eles se manifestem contra o projeto no Congresso Nacional e também, para que toda a administração da Receita se manifeste para impedir o relatório e não substitua o projeto de lei original. 

O texto original foi enviado pelo Governo Federal ao Congresso após longa negociação e acordo firmado com os Auditores Fiscais, reforçando garantias institucionais ao exercício das funções de fiscalização.

Porém, o substitutivo apresentado pelo deputado distorce o projeto original e prejudica a atuação das autoridades fiscais no combate à corrupção, a sonegação e a lavagem de dinheiro. Em 20 artigos do projeto, o relator colocou 170 emendas, segundo o sindicato. Se aprovado, o texto não precisa ir a plenário.

Além disso, o projeto ainda busca favorecer outros servidores da Receita Federal que pretendem alcançar a função dos Auditores Fiscais sem passar pelo concurso público. Entre as mudanças incluídas pelo relator está a que compartilha o reconhecimento da autoridade administrativa, tributária e aduaneira da União dos auditores fiscais com os analistas tributários.

Ainda conforme o sindicato, alguns chefes de sessão entregaram a chefia contra o projeto de lei e para pressionar a decisão do Congresso.

Paralisação - Em 27 de outubro, auditores decidiram manter a greve reivindicando melhoria salarial, com reajuste de 21,3%, além de substitutivo ao relatório do deputado Wellington Roberto sobre o PL 5864/2016, que dispõe sobre a carreira tributária aduaneira.

Cumprindo determinação da Justiça, apenas 30% do efetivo está trabalhando e as fiscalizações ocorrem apenas às segundas e terças-feiras, o que resulta em uma fila de no mínimo 100 caminhões, caminhoneiros revoltados e cargas paradas há mais de 45 dias. Em zonas primárias, como é o caso de Ponta Porã, Mundo Novo e Corumbá, regiões fronteiriças, os servidores continuam nos locais de trabalho mobilizados, mas liberam apenas cargas vulneráveis (perecíveis e animais).

EUA suspendem todas as importações de carne in natura do Brasil
O secretário de Agricultura dos EUA, Sonny Perdue, anunciou nesta quinta-feira, 22, a suspensão de todas as importações de carne bovina in natura do ...
Dólar fecha em leve alta e com investidor monitorando cenário político
O dólar teve mais um dia de volatilidade pautado por forças opostas em diversos momentos, mas incertezas políticas prevaleceram no fim dos negócios n...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions