A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 20 de Setembro de 2018

08/09/2018 09:44

Em MS, 47 mil empresas correm "risco de morte", estima Receita Federal

Receita Federal está intensificando as ações para declarar a inaptidão de inscritos no CNPJ por omissão de declaração

Gabriel Neris
Número de empresas que podem perder inscrição em MS é considerado alto pela Receita Federal (Foto: Henrique Kawaminami)Número de empresas que podem perder inscrição em MS é considerado alto pela Receita Federal (Foto: Henrique Kawaminami)

Mato Grosso do Sul tem atualmente 47,3 mil inscrições no CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) de contribuintes que correm o risco de cancelamento por omissão na entrega de escriturações e de declarações nos últimos cinco anos. A Receita Federal está intensificando as ações para declarar a inaptidão dessas inscrições até maio de 2019.

O delegado da Receita Federal de Campo Grande, Edson Ishikawa, orienta que os contribuintes nesta situação busquem informações para que no período seja emitido o Ato Declaratório Executivo de aptidão.

"O crédito tributário que [a empresa] esteja devendo eventualmente continua vivo. Os documentos não têm mais efeito. A consequência danosa é que os documentos serão considerados nulos e poderá ser impedido de fazer novas inscrições. É como se fosse a morte de uma empresa, mas é uma consequência já lá no final", diz o delegado.

"De regra geral, todo contribuinte de pessoa jurídica pode, através do E-CAC (Centro Virtual de Atendimento), ter acesso a sua vida fiscal e poderá verificar as pendências, procurar parcelamento", orienta.

Estima-se que até 3,4 milhões de inscrições sejam declaradas inaptas em todo o Brasil. O delegado considera os 47,3 mil de Mato Grosso do Sul um número exagerado. "São empresas que podem estar sem atividade econômica, é bastante expressivo. Só ficaram em uma situação de baixa e não cumpriram suas obrigações mínimas", diz.

Ishikawa também recomenda que os empresários acompanhem a contabilidade da empresa para que não sejam pegos de surpresa. "Recomendados que os empresários retirem a certidão negativa a cada seis meses. Uma vez que não tenha a certidão significa que exista pendência cadastral, pode ser uma falta de declaração", completa.

Segundo ele, a orientação é apertar o cerco contra a chamada concorrência desleal. "A Receita age de maneira pontual, específica para evitar que outros contribuintes regulares sejam prejudicados".

Dólar recua pelo segundo dia, fechando a R$ 4,07, menor valor desde 22 de agosto
A cotação da moeda norte-americana recuou hoje (20) para patamares abaixo dos R$ 4,10, registrando queda pelo segundo dia consecutivo. O dólar fechou...
Instituições financeiras zeram tarifas para investimentos
A concorrência com corretoras independentes tem feito grandes bancos zerarem as taxas cobradas dos clientes para investimentos no Tesouro Direto. A ú...
Preço do GLP industrial terá aumento de 5% a partir desta quinta
A Petrobras vai reajustar em 5% o Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) industrial e comercial às distribuidoras, a partir de amanhã (20). O Sindicato Nac...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions