A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

30/03/2011 11:00

Índice que reajusta aluguéis subiu 0,62% no mês de março

Redação

Flávia Albuquerque, da Agência Brasil

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), usado como referência para reajuste em contratos de aluguel, variou 0,62% em março. Em fevereiro, a variação foi de 1%. De acordo com dados divulgados hoje (30) pela Fundação Getulio Vargas (FGV), dois dos componentes do índice variaram com menos intensidade e um apresentou alta. O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) passou de 1,20% em fevereiro para 0,65%, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) ficou em 0,62%, em março, ante os 0,67% do mês anterior. Já o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) variou 0,44%, ficando acima do resultado de fevereiro, de 0,39%.

No IPA, que representa 60% do IGP-M, o índice relativo aos bens finais variou 0,77% em março, enquanto em fevereiro variou 0,17%, com influência do subgrupo alimentos in natura, cuja taxa de variação passou de 1,66% para 7,37%. O índice referente ao grupo bens intermediários variou 0,57%, sendo que, em fevereiro, a taxa foi de 0,76%. O principal responsável pela queda foi o grupo materiais e componentes para a manufatura que passou de 0,76% para 0,56%.

Ainda no IPA, o índice das matérias-primas brutas variou 0,61%, em março, com queda em relação a fevereiro quando houve variação de 2,97%. Os principais responsáveis pela desaceleração do grupo foram os itens: soja em grão (-0,72% para -6,20%), milho em grão (9,84% para 1,46%) e minério de ferro (3,80% para -0,05%). Ao mesmo tempo, registraram-se acelerações em itens como: café em grão (8,44% para 11,58%), bovinos (0,21% para 1,10%) e arroz em casca (-7,53% para -3,98%).

Dos sete grupos que compões o IPC, quatro registraram decréscimos em suas taxas de variação. O destaque ficou para educação, leitura e recreação (1,63% para 0,18%), com as principais influências partindo dos itens cursos formais (1,93% para 0%) e passagem aérea (1,36% para -9,28%).

Os grupos que também tiveram recuos foram despesas diversas (1,57% para 0,49%), transportes (1,82% para 1,15%) e habitação (0,51% para 0,47%). Aqueles que apresentaram elevação foram os grupos vestuário (-0,55% para 0,78%), alimentação (0,24% para 0,69%) e saúde e cuidados pessoais (0,33% para 0,62%).

O INCC teve o aumento causado por dois dos três grupos que compõem o índice: materiais e equipamentos (0,54% para 0,64%), e mão de obra (0,12% para 0,27%). A taxa do grupo serviços recuou de 1,04%, no mês anterior, para 0,46% em março.

Os limites do “desculpe, seu score está baixo”
Imagine a seguinte situação. Você está navegando em uma grande loja de comércio eletrônico e escolhe um novo celular para compra. Na hora do pagament...
Confaz aprova incentivos fiscais concedidos pelo Governo de MS
O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) aprovou a convalidação de todos os incentivos fiscais concedidos pelo Governo do Estado em Mato G...
Consumidor terá 30 dias para contratar serviço de esgoto antes de ser multado
Será apresentado às 9h de segunda-feira (18) um termo de parceria entre o Procon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor de Mato ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions